sábado, novembro 29, 2008

PostHeaderIcon Outras emoções

Por qualquer razão que desconheço o passado está voltando para o presente.

Reencontro com minhas amigas de infância parecia-me o ápice da recuperação de sentimentos e pensamentos, mas me enganei.

As recordações foram aflorando com o passar dos dias e outras pessoas do passado foram visitadas por meio das páginas do Orkut e nem sempre com retorno. Apesar disso, as fotos antigas foram retiradas dos baus e as imagens da adolescência resgatadas. Os sons de Neil Sedaka, Pat Boone, The Beatles e outros começaram a aparecer e muita risada despertou. Puro saudosismo.

O som do sino sempre nos acompanhou. Nós falávamos no sino da escola, tocado pelo Seu Marino a cada término e começo de aula dia após dia. Quando outra pessoa o tocava nós sabíamos a diferença. Sabíamos quando era o Mariano porque ele dava uma badalada a mais no final. De vez em quando um aluno não resistia à tentação e dava sua badalada naquele que deveria ser respeitado por nós. Ele, o sino, era do Seu Marino, o chefe da portaria da escola. Era único. Todas as escolas usam campainhas para separar as aulas. Lá, tinhamos o sino.

Meu irmão ouvia o sino das 7:45h e saía de casa correndo para entrar em aula às 7:50h, porque morávamos ao lado da escola. Entre cada aula duas badaladas com diferença de menos de 5 minutos. Ele marcava o final da jornada.

Era ele quem anunciava as provas, as horas vagas, as aulas de ginástica com Dona Ana; as aulas de canto como Maestro Callia e por aí afora. Ele quem silenciou quando nosso Diretor morreu.

O colégio busca seus ex-alunos porque completará 100 anos em 2011 e nos quer por perto. Juntamente com a associação dos ex-alunos promoveu confraternização por meio de churrasco, hoje.

Mesmo após minha saída dessa escola, pelo menos de 2 em 2 anos lá eu volto, para votar. Não ando por lá. Não visito classes e vejo aquele espaço desfigurado pela presença de estranhos andando pelos corredores, atravez das janelas.

Hoje, depois de 40 anos eu entrei naquele espaço como ex-aluna. Andei pelos corredores ainda iguais, limpos, espaçosos e tão familiares; desci aqueles degraus pequenos e baixinhos que levam ao pateo, enorme e belo. Mais belo porque foi criado lá no meio um canteiro com árvores e flores. Corri os olhos por todas as janelas como se conversasse com elas e me senti adolescente outra vez. O sino não estava lá. Talvez tenha sido retirado para evitar-se brincadeiras com ele, não sei.

Alguém teve o cuidado de gravar as badaladas do Seu Marino e soltou a gravação de surpresa, sem aviso e sem piedade.

Chorei de emoção naquela hora como estou chorando agora. Nunca pensara que aquele som pudesse despertar emoções tão fundas e belas.

Para completar, veio o Hino da escola. Já não sei a letra inteira, mas alguns pedaços eu cantei. Chorei, de novo.

Bjkª. Elza
sexta-feira, novembro 28, 2008

PostHeaderIcon Socorro aos necessitados





A Associação dos Advogados de São Paulo abriu espaços para recebimento de donativos para os catarineneses que estão em situação desesperadora. No anuncio ao lado também estão as contas bancárias que recebem doações. Cada um cede um pouco de si e Santa Catarina voltará a brilhar.

Recebi esse selino da miha amiga Rosamaria, cujo link está aí ao lado.

Obrigada, amiga. Estou muito orgulhosa dele.






Bjkª. Elza

terça-feira, novembro 25, 2008

PostHeaderIcon TVA outra vez

Alguém quer saber qual é um dos piores atendimentos eletrônicos em Sampa?



É da TVA, certamente. Só perde para a Telefonica.


Nós compramos um novo aparelho de TV, desses modernos, cheios de letrinhas na especificação técnica. Nós pensávamos que esse aparelho era para transmissão digital, mas, quando fizemos contato com a TVA descobrimos que era TV de alta definição.


Na operadora nós temos um código de assinante que não é mais usado. Agora, para dificultar os atendentes querem o nº do telefone da assinatura e o CPF do titular ... Moro em condominio e não sei o nº do telefone e nem o CPF do marido... Apesar disso, consegui passar por diversas saias justas!


Aprendi, depois de passar por inúmeras atendentes que só sabem ler o manual, que são 3 sistemas de transmissão: analógico, digital e HD. Cada um tem um decodificador diferente e, cada um tem "pacotes" diferentes de canais. Claro que os preços são diferentes ...


Outra atendente lia para mim o manual, como se eu soubesse a respeito do que ela estava falando, e me perguntava se eu queria o pacote cheio ou não ... Como eu posso saber se o "pacote é cheio???" dizia eu... Fiquei com meu pacote cheio, isso sim, pois ela queria que eu dissesse os nomes dos canais do meu "pacote original"...


Outra atendente fez tamanha confusão com os preços que nossa conta, nesse primeiro mês ficaria em mais de R$ 400,00!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Esses diversos contados sempe permeados pelo indefectível:

- Senhora Elza, obrigada por aguardar ...


Cansei e deixei que meu marido resolvesse o problema, pois, quando estou irritada ele dá uma de bonzinho e fala com paciência e educação com esses atendentes mau treinados.


Meu marido fechou pacote com a TVA igual ao que tinhamos na TV analógica e solicitou o aparelho HD, o que me fora negado anteriormente sob as mais variadas desculpas.


Ele soube que para instalação do HD é cobrada taxa de R$ 49,90 para 50 cm de cabo.

- Que venha o cabo, disse ele.


A operação foi marcada para sábado de manhã.


O instalador chegou aqui com o aparelho digital, sem cabo HD e na maior cara de pau começou a transformação de nossa TV. Quando meu marido percebeu o erro ficou bravo, disse que ia chamar a polícia e daí para baixo... aos gritos ... O funcionário foi buscar o aparelho HD e não trouxe o cabo. Disse que na 2ª feira tudo seria normalizado, inclusive os canais de filmes que foram cortados.


Ontem à noite eu liguei mais de 10 vezes para a TVA para ser atendida.

Um atendente me jogou para o outro que me jogou para terceiro que me deu outro número de telefone que não atendia... Comecei de novo e um me jogou para outro que desligou na minha cara ... Uma atendente me deixou mais de 15 minutos na espera ouvindo anuncios ...


Foi assim das 20:30h até às 22:30h quando perdi as estribeiras e comecei a gritar. Eu queria falar com o gerente, com o superintendente, com o presidente essa droga de empresa... Gritei que não acreditava que essa droga de empresa fosse do mesmo grupo da Folha de São Paulo ... Invoquei o estatuto do idoso e os pagamentos corretamente efetuados... Chorei de raiva por precisar fazer esse escândalo para conseguir o que me é de direito porque o erro foi do atendente ... Implorei atenção porque a conta do telefone quem estava pagando era eu por erro do atendente que não anotou o pedido formulado pelo meu marido ...


Gritei tanto que fiquei rouca e consegui regularizar os canais de filmes injustamente cortados e obtive a promessa se instação do tal cabo amanhã, no horário comercial. O preço acabou acertado e ficou mais barato do que o valor apresentado ao meu marido e não sei o motivo. Os canais de filmes foram liberados na hora, durante o telefonema.


Por que o consumidor tem que passar por esse estres? Quem ganha com isso?


No passado, quando a TVA era a cabo, passados eles no meu prédio, outros não poderiam entrar por falta de espaço. Não sei qual é a tecnologia de hoje, mas sei que a net é a mesma droga, portanto, trocar de operadora e trocar de cheiro, como telefones celulares...


A conta é paga religiosamente, mas por que tenho que passar por esse sufoco, por esse desespero? Por que tenho que resolver na base do grito?


Adianta eu ir ao Procom e denunciar esse abuso? Adianta eu mover ação e pedir indenização por danos morais? Adianta eu contar essa vivência no blog?



Sem bjkª porque estou brava. Elza
sábado, novembro 22, 2008

PostHeaderIcon Selinho






Ganhei da Lys e repasso para a Celia Kith, Menina Mulher e Tetê.
Obrigada pelo carinho.
Bjkªs. Elza
terça-feira, novembro 18, 2008

PostHeaderIcon Direitos e deveres

Todos nós temos direitos e devemos fazer que sejam respeitados. Devemos lutar por eles e eles precisam prevalecer, desde que não sejam contrários ao bem comum, ou que firam a ética, os costumes.

Isso significa que nem sempre o que desejamos é o que podemos ter. Muitas vezes desejamos algo que se choca com o bem comum, ou seja, com o direito de todos.

Além disso, para cada direito que temos, existe um dever correspondente.

Todos nós temos deveres que são muito mais importantes que nossos direitos, pois, se cumpridos, trarão paz social.

Estou apenas divagando sobre o tema. Não tenho nada de especial para dizer a não ser que, sem respeito ao próximo, sem respeito às leis, sem observância do que foi estatuido não tem sociedade de aguente.

Sociedade desde aquela no sentido mais amplo que se possa imaginar, até a simples, composta de duas pessoas sob o mesmo teto. Um respeita o outro e ambos vivem felizes? Não é bem assim, pois, felicidade não existe e respeito não é garantia de harmonia, mas ajuda.

Respeito é fundamental em todas as relações humanas, pois, demonstra não somente o grau de compreensão entre os viventes, mas a educação, a sofisticação de sentimentos, a humildade e o carinho pelo outro. Só quem tem carinho sabe respeitar e esse é o inicio do tão falado "amor". Para respeitar o outro não e preciso sofisticação intelectual ou formação acadêmica, não. Para respeitar o outro basta se respeitar e aceitar que o outro tem falhas, acertos, sentimentos, virtudes e defeitos, medos e por ai afora.

Para respeitar o outro basta não exigir dele aquilo que não se é.

Bjkª. Elza
sábado, novembro 15, 2008

PostHeaderIcon Comer comer

- Quer que eu faça carne assada para vc levar? Traga, então um lagarto pequeno, com 1 quilo, no máximo, disse eu a meu marido que passaria a semana em BH.

- Marido, esse lagarto não ficará bom. É parte de uma peça grande ... Farei o que puder, mas essa carne é dura demais, comentei assim que ele chegou com a compra.

- Você corta as cebolas? Bem fininhas, certo? Em rodelas.

E meu marido cozinheiro ficou lá na cozinha chorando as pitangas e cortando cebolas. Exagerou na quantidade e quando vi, já estavam refogadas com a carne dentro.

- Eu ia fazer de outro jeito essa carne, falei sem graça.

Eu ia cozinha-la no vinagre, na pressão, por muito tempo, em fogo brando para ver se amaciava e depois a colocaria na metade da cebola que ele cortou.

O que está feito está feito e tentei salvar a tal da carne, mas não teve reza que a deixasse macia. Ele foi para BH e deixou a pedra comigo. MInha fiel escudeira e eu, mais do que depressa a metemos no processador. Virou menos que carne moida. Pensei que ela poderia servir para molho de macarrão e guardei no freezer.

- Bemmmmmmmmm, tou chegando com fome.

Lembrei da sopa de beringela que a Meire me ensinara no mural do amigo secreto e tratei de improvisar. A beringela com pimentões e cebolas já estava pronta e muito gostosa. Bati tudinho do liquidificador. Cozinhei 2 batatas e acrescentei ao creme. Coloquei numa panela com um pouco daquela carne e servi com torradas e enfeitada com cheiro verde. Ele adorou.

Sobrou carne e hoje, ele inventou sanduiche com ela: pão de forma, carne, queijo Santa Marta, alface e tomate. Uma delicia, mas estou sentindo o gosto da cebola na minha boca. Iéquete!

Além desse gosto amargo que não consegui tirar ao escovar os dentes, meu estômago está reclamando. Se eu tivesse leite de magnésia em casa tomaria uma colher, mas não tenho e não sairei agora. Veremos o que acontecerá.

Bjkª. Elza
segunda-feira, novembro 10, 2008

PostHeaderIcon Palestra de Brian Dyson (ex-presidente da Coca-Cola Co.)

'Imagine a vida como um jogo, no qual você faz malabarismo com cinco bolas que são
lançadas no ar...

Essas bolas são: o trabalho, a família, a saúde, os amigos e o espírito.

O trabalho é a única bola de borracha. Se cair, bate no chão e pula para cima.
Mas as quatro outras são de vidro. Se caírem no chão, quebrarão e ficarão
permanentemente danificadas.

Entendam isso e assim conseguirão o equilíbrio na vida'.

Como?

Não diminua seu próprio valor comparando-se com outras pessoas.
Somos todos diferentes. Cada um de nós é um ser especial.
Não fixe seus objetivos com base no que os outros acham importante.
Só você tem condições de escolher o que é melhor para si próprio.
Dê valor e respeite as coisas mais queridas de seu coração.
Apegue-se a elas como a própria vida. Sem elas a vida carece de sentido.
Não deixe que a vida escorra entre os dedos por viver no passado ou no futuro.
Se viver um dia de cada vez, viverá todos os dias de sua vida.
Não desista enquanto ainda é capaz de um esforço a mais.
Nada termina até o momento em que se deixa de tentar.
Não tema admitir que não é perfeito.
Não tema enfrentar riscos. É correndo riscos que aprendemos a ser valentes.
Não exclua o amor de sua vida dizendo que não se pode encontrá-lo.
A melhor forma de receber amor é dá-lo.
A forma mais rápida de ficar sem amor é apegar-se demasiado a si próprio.
A melhor forma de manter o amor é dar-lhe asas.
Corra atrás de seu amor, ainda dá tempo!
Não corra tanto pela vida a ponto de esquecer onde esteve e para onde vai.
Não tenha medo de aprender. O conhecimento é leve.
É um tesouro que se carrega facilmente.
Não use imprudentemente o tempo ou as palavras. Não se pode recuperar uma palavra dita.
A vida não é uma corrida, mas sim uma viagem que deve ser desfrutada a cada passo.
Lembre-se:
Ontem é história.
Amanhã é mistério e
HOJE é uma dádiva. Por isso se chama 'presente'.


Se você quiser, passe este recado para as pessoas que
são importantes para você, porque segundo Brian sugeriu: 'apegue-se
às coisas que são queridas ao seu coração (entre elas os
amigos). Sem elas a vida carece de sentido'.
sexta-feira, novembro 07, 2008

PostHeaderIcon Preconceito

Fui contratada para defender os interesses de uma pequena metalurgica.
Elaborei defesa e juntei os documentos necessários.
Fui para a audiência, ontem às 13h40min no Forum Rui Barbosa, lá na Barra Funda.

As partes foram apregoadas com alguns minutos de antecedência.
Minha cliente e eu nos aproximamos da mesa. Sou muito polida e sempre peço licençapara me aproximar e me sentar.
Mais do que depressa e com muita gentileza o Juiz nos convidou a tomar nossos postos.
Conversei bastante com ele e com o digitador sobre carteira da OAB e comprovação do exercicio profissional. Conversa amena para preencher o tempo.

- Excelência, estou vendendo pelo peso e pelo preço que comprei a história que vou contar, disse eu.

Contei de uma advogada que destratou uma Juíza e lhe exigiu a apresentação da carteira de magistrado e acabou saindo da sala acompanhada de dois seguranças e com oficio à OAB para ser apurado o comportamento inconveniente.

O advogado do Autor chegou enquanto eu falava. Mal ajambrado, cabelos revoltos, foi sentando sem cumprimentar o Magistrado e disse:

- Pois eu presenciei um colega exigir a apresentação da carteira do juiz e o tal não era juiz coisa alguma. Saiu fugido!

O cliente dele não compareceu. Ausente o autor o processo vai para o arquivo, mas ele pode renovar a ação. É a lei! O Juiz, muito ponderado me perguntou se eu faria alguma proposta de acordo para evitar a renovação do processo. Fiz proposta apenas para agradar ao Juiz. O advogado nem respondeu. Era irrisória, de fato. Expliquei ao advogado porque fizera aquela proposta tão ínfima e minha cliente só faltou pular no meu pescoço e me dar um beijo estalado nas bochechas porque percebeu que o outro ficara acuado.

Por tratar-se de questão técnica, não deixarei qualquer esclarecimento, tá?

Como não houve acordo o Juiz ofereceu os documentos que estavam no processo para o advogado que não os queria. Disse que compareceria noutra data para buscá-los. O Juiz insistiu para o advogado levar os papéis já que possivelmente precisaria deles para mover outra ação e, finalmente conseguiu seu intento.

Pensei que a audência fosse ser encerrada ali, quando aconteceu o seguinte:

- Nordestino é assim mesmo! Comparece no escritório e pede para movermos ação. Vão para a terrinha e se esquecem de voltar. Disse o advogado do Autor.

- Doutor, isso é preconceito. Não é por ser nordestino ... tentou dizer o Juiz

- Advogo há 30 anos e estou acostumado a lidar com essa laia. Nordestino é assim mesmo, irresponsável e folgado. Depois que o processo vai apra o arquivo voltam chorando no escritório ...

- Doutor, o senhor está sendo preconceituoso e está me ofendendo. Eu sou nordestino e não sou irresponsável e nem folgado, retrucou o Juiz com sotaque que até então eu não notara.

A ata da audiência foi entregue e assinamos antes do tal advogado que, para finalizar a gafe diz:

- Doutor, o senhor é cearense?

Sai mais do que depressa da sala e não ouvi a resposta.

Nortista, nordestino, sulista, palmeirense, branco, negro ou oriental, gay, alto ou baixo não define o carater de ninguém; não indica a responsabilidade, a inteligência ou a dedicação da pessoa à vida. As palavras desse incauto advogado foram um choque para todos os que estavam na sala e tenho certeza que o juiz não era nordestino coisa alguma, mas aproveitou a situação e deixou o outro constrangido.

Todos temos que medir e repensar nossos preconceitos, pois, todos nós temos algum, de alguma forma.

Bjkª. Elza
quarta-feira, novembro 05, 2008

PostHeaderIcon Estou sem assunto



Depois dos transtornos que tive ainda não estou totalmente recuperada, muito embora já possa conviver com pessoas que me conhecem e me estimam. Desconhecidos não são aconselháveis pois, continuo carente e chorona.

O blog anda um tanto abandonado porque não quero ficar chorando as pitangas e nem falando de coisas que já me magoaram, mas não posso deixar as moscas tomarem conta dele.

Assim, resolvi contar que tenho uma caçadora de moscas implacável aqui em casa. Ela fica mirando e estudando os movimentos de moscas, bichinhos de luz, abelhas ou qualquer um que se mova no ar. Quando menos se espera ela dá o bote e pega o bichinho e se põe a torturá-lo.

Acho que ela gosta de abelhas, porque tira uma asa e depois a outra. Dá patada para a coitada voar e depois a pega e empurra e por aí vai. Fica um tempão brincando com suas vítimas e eu me canso. Acho que ela devora a vítima depois de toda a brincadeira.

Claro que estou falando da gata frajola mais linda e meiga que conheço e que se deita no meu colo depois de me amassar bastante. Claro que estou falando dessa belezinha de olhos amarelos e pinta na ponta do nariz que a Barbara me deu. Daquela bonitinha que fica aqui do meu lado e coloca o queixinho sobre minha mão que está no mouse. Aquela que vai se deitar nos meus pés e que durante a noite anda por cima do meu corpo. Sim, aquela que mia para eu abrir a torneira da pia para ela tomar água corrente e que me diz que está com fome. Ela me pede para abrir a janela da área de serviço para ela admirar o movimento.
Claro que estou falando da Thelma Louise, minha gatinha querida e que noutro dia descobri que é uma gata de tamanho medio. Eu não sou "gatóloga" e sempre a achei pequenina...

Bjkª. Elza

Thelma Louise

Thelma Louise
Minha gatinha querida

Pesquisar este blog

Perfil

Elza Maria sempre em busca de respostas. Paradoxal, curiosa, inteligente, crítica, observadora, sentimental, habilidosa, amorosa, sensível, disciplinada e um montão de outras coisas. Ser humano normal, comum, mediano, mas que gosta de escrever e está no quarto blog.

Arquivo do blog

Atualizaçoes

Seguidores

Miau

Get the Maukie - the virtual cat widget and many other great free widgets at Widgetbox!

Passaram por aqui

Créditos

Template: Meiroca.com
Foto: Silvia Perutti