terça-feira, fevereiro 28, 2012

PostHeaderIcon Vejo por aí

Saio com o Baltazar quase todos os dias do ano e ando pelas calçadas passarinhadas do meu bairro à toa, sem rumo e muitas vezes sem lenço, sem documento ou telefone celular.
Observo as lojas que são fechadas e são reformadas e depois reabertas.
Sei os pontos em que não adianta montar negócio algum, pois, micados.
Acabo conhecendo pessoas que também passeiam cachorros e obtenho noticias às vezes velhas, mas nem por isso menos importantes.
Noutro dia soube que uma senhora muito linda e simpática suicidou-se. Fiquei muito chocada, embora eu suspeitasse que esse havia sido seu fim há mais de três anos.
Fiquei sabendo que a dona da loja é dona do imóvel e resolveu viver do aluguel que lhe dá mais renda e prazer.
Aquela senhorinha está em sérias dificuldades financeiras e devendo para toda a familia porque seu imóvel ainda não foi desocupado pelos sem teto.
Aquela outra sofreu acidente de automóvel na estrada. Quebrou diversos ossos, teve parada respiratória e cardiaca. Sobreviveu depois de meses de cirurgias e internações. Ficou viuva em decorrência desse evento. Nova, bonita e hoje, só tem o cachorro por companhia.
E assim eu converso e fico sabendo das coisas. Nem preciso perguntar. As pesoas estão muito sós e carentes. Conversam e contam suas particularidades para uma perfeita estranha com a maior naturalidade!
Meu bairro me encanta.
Bjs. Elza
sábado, fevereiro 18, 2012

PostHeaderIcon Carnaval

Já gostei de carnavel. Ia aos bailes do clube e cantava e dançava sem parar, movida a guaraná.
Com o tempo, a farra deixou de me agradar e nunca mais me interessei. Nem pela TV eu apreciava ver as escolas de samba.
Por curto período de tempo assisti algumas escolas do Rio e gostei.
O tempo passa e tudo está como na última vez que perdi meu precioso tempo para assistir a um desfile: letras das músicas incompreensíveis; batuque ensurdecedor, mulheres peladas ou semi-nuas; penas e mais penas por todos os lados; passistas com o mesmo passo; carros alegóricos imensos e cheios de luzes ...
Tanto aqui em São Paulo como no Rio, o princípio é o mesmo e a chatice, também.
Não vejo inovação. Não vejo o povo se divertir. Não vejo espontaneidade nessas escolas de samba.
Em Salvador a coisa ficou estranha. Os turistas colocam um abadá e saem correndo atras de trios elétriocos pelas ruas, sem conhecer as músicas e sem saber sambas ou dançar axé. Todos protegidos por cordões de seguranças. Em volta do cordão de seguranças, do lado de fora dele, o povo anda e bebe e beija.
Suor e mau cheiro não faltam.
No Recife e em Olinda a organização não chegou e não acabou com o carnaval do povo. Os baianos estão migrando para lá, já que a secretaria de turismo acabou com o que era divertido em Salvador.
Fico aqui no meu canto fazendo pão, lendo e estudando um pouco. Tomo meu sol lá no canto do prédio e espero que essa folia acabe logo para que eu recupere o ritmo de minha vida.
Divirtam-se.
Elza
domingo, fevereiro 12, 2012

PostHeaderIcon Familia

Como é bom estar entre as pessoas de meu sangue, a quem amo tanto.
Como é bom ser chamada para comemorar o aniversário de uma querida.
Como é bom ser lembrada para conhecer a bebê recem nascida.
Como é bom quebrar a rotina e passar algumas horas com outros queridos.
Falamos de tudo e de nada. Rimos e nos divertimos apenas porque estamos juntos.
Só quem já perdeu e reencontrou os seus próximos pode avaliar a sensação de paz e de segurança que advem desses encontros.
Procuro falar o mínimo e ouvir ao máximo as vozes e os risos.
Guardo no fundo de minha alma e trancados na minha memória os sons e a sensação deliciosa de pertencer a um clã.
O meu cantinho é só meu e repleto de fotos e lembranças dessas pessoas importantes.

Elza
domingo, fevereiro 05, 2012

PostHeaderIcon Mais uma vez CAPEMI

Pessoas queridas que visitam esse blog quase abandonado,
Estou estarrecida com o que recebo de mensagens a respeito desse golpe que se espalhou pelo Brasil. Já recebi mensagens de diversos Estados da nação e a estratégia é sempre a mesma:
um aerograma informa que o incauto tem dinheiro para receber em razão de um processo, mas, para levantar o dinheiro tem que depositar as "custas" e despesas com advogado.
A pessoa deposita e nunca mais ouve falar no grupo. Os telefones cedidos são desligados e tudo desaparece...]
Além disso, o que está ocorrendo é o USO INDEVIDO DE NOMES DE PESSOAS SÉRIAS e direitas, que não participam do golpe e se veem envolvidas nesse estelionado. A quadrilha usa nomes verdadeiros de advogados, sendo que esses, NÃO ESTÃO ENVOLVIDOS COM A FALCATRUA.
Cuidado!
Ao receber esse aerograma vá à Delegacia de Policia mais próxima e faça lavrar Boletim de Ocorrência!
JAMAIS DEPOSITE O DINHEIRO SOLICITADO!
Abç. Elza

Thelma Louise

Thelma Louise
Minha gatinha querida

Pesquisar este blog

Perfil

Elza Maria sempre em busca de respostas. Paradoxal, curiosa, inteligente, crítica, observadora, sentimental, habilidosa, amorosa, sensível, disciplinada e um montão de outras coisas. Ser humano normal, comum, mediano, mas que gosta de escrever e está no quarto blog.

Arquivo do blog

Atualizaçoes

Seguidores

Miau

Get the Maukie - the virtual cat widget and many other great free widgets at Widgetbox!

Passaram por aqui

Créditos

Template: Meiroca.com
Foto: Silvia Perutti