sábado, outubro 31, 2009

PostHeaderIcon Dia do mecânico

Noutro dia saí com o carro do marido. Feliz da vida porque eu gosto muito dos novos sapatos de borracha que ele comprou após o furto do Uno. Fui ao Forum e parei num dos bons estacionamentos ali nas redondezas. Caro, mas bom.

Foi o que pensei até aquele dia, pois, quando fui retirar o veículo estava com uma afundado no paralama dianteiro direito. Caro e não presta!

Fiz o maior barulho. Chamei o manobrista de mentiroso depois que ele afirmou que o carro já estava batido quando eu cheguei. Chamei o supervisor e continuei a encrencar quando um colega chegou e tomou a frente.

Primeiro ele me acalmou e disse que a batida era coisa de martelinho de ouro e que ficaria perfeito o conserto. Depois ele pegou o ticket do caixa e escreveu um romance no qual constava que o carro estava inteiro e na saída apresentou um amassado. Exigiu nota fiscal e no verso escreveu a mesma coisa e também o número do ticket do caixa.

Ele só faltou me trazer para casa, mas me deixou calma e tranquila com aquelas providências.

Quando entreguei o carro tive que contar a peripécia ...

Ele nem ficou bravo. Acho que teve dó de mim por causa da aflição que eu apresentava e, também, por que o meu carro está com um amassado na traseira, faz mais de um ano e quem causou foi ele ... Consciência pesada???

Hoje nós levamos o carro dele ao martelinho. Na ida, o meu carro começou a fazer um barulho muito forte e logo diagnosticado: protetor de do carter batendo. Paramos numa oficina da vida e o carro levantado. Não era.

Segundo diagnóstico: escapamento solto. Fomos à loja e o carro levantado, de novo. Também não era.

Paramos o bonitão e resolvemos voltar ao martelinho para pegar o outro, de taxi. Ficou bom o conserto, mas não excelente. Custou R$ 150,00.

Na volta para casa passamos na porta do mecânico que sempre conserta meu carro e, por incrível que pareça, num sábado, véspera de feriado, às 15h a porta estava aberta. Ele não trabalha aos sábados, mas estava esperando um guincho, por sorte nossa.

Para encurtar, meu carro está lá, parado, até 3ª feira para sanar esse problema, trocar as velas e a tampa de não sei o que...

Desde as 8 horas da manhã estou correndo atras de carro, como se eu gostasse dessa vida. Para piorar, estou a pé, de novo!!!

Vamos que vamos, né? Quem manda ter carro velho???

Bjkª. Elza
terça-feira, outubro 27, 2009

PostHeaderIcon Procura-se

Hotel ou pousada a beira mar para final de ano.
Já busquei em Ubatuba - São Paulo e em Florianópolis, na Praia Brava.
Orçamentos em mão, basta decidir e fechar minha pequena viagem com o marido.
Estou contente com a possibilidade de estar longe de Sampa e dos festejos de Natal.
Bj. Elza
quarta-feira, outubro 21, 2009

PostHeaderIcon Dia dos Irmãos


- Beto, faça o protocolo, via sisdoc, pelo site do tribunal.
- Falou grego, Mana.
- Você coloca a petição em formato pdf e depois faz o protocolo eletrônico...
- Como faço para colocar em pdf e o que é isso?
- Beto, vc tem o adobe creator?
- Tá muito dificil... venha almoçar comigo e me explique, certo?
- Certo, na 3ª feira eu passo por aí.

- Beto, surgiu uma complicação com um cliente e não posso almoçar com vc hoje. Pode ser amanhã?
- Claro, vc me traz aqueles papéis?
- Pode deixar. Já estão na minha bolsa.

- Sou irmã do Dr. Paulo ( para mim, Beto).
- Como é o nome da Senhora?
- Sou a única ...
- Ah, sei. Seu irmão já chegou.

- Faço um curso aqui ao lado e hoje saí mais cedo. Resolvi ver o Beto e ele me disse que vc viria almoçar. Fiquei.

Almoçamos os três como há muito não acontecia.

Estou em estado de graça. Ah ... tentei ensinar a usar o pdf e sisdoc e daí para frente, mas ele não estava interessado.

Bjkª. Elza
domingo, outubro 18, 2009

PostHeaderIcon Fração de segundo

- Hiiiiiiiiiii, olhe, olhe ....

Não deu tempo de eu ver a batida, mas vi a moto no chão, o motoqueiro se levantando e correndo até o carro e a garupeira com expressão de dor enquanto segurava o cotovelo e andava trôpega pela avenida.

- Você viu como aconteceu?

- Claro, foi aqui na minha frente! O carro saiu da pista do meio sem mais nem menos e entrou à direita fechando a moto. Bela moto tem aquele ...

- De quem foi a culpa?

- Do carro. Aposto que era mulher na direção. Mulher é muito atrevida e faz esse tipo de coisa. A avenida tem três pistas e ela estava na do meio. Mudou de faixa sem mais nem menos...

- Meu Pai já dizia isso e mais do que isso: quanto mais jovem mais atrevida.

- Ele dizia isso? Quer tomar um lanche?

- Depois que voltarmos e deixarmos nosso telefone com o motoqueiro. Ele pode precisar de testemunha no futuro. Já lhe contei que assisti a um atropelamento e a uma colisão e deixei meu telefone para as vítimas?

Demos a volta e chegamos ao lugar da colisão. A motorista do carro estava pasma e sem reação ao lado da Mãe. Jovem, não sabia se deveria tomar alguma providência ou se chorava.

- Onde está a garupeira? Ela se machucou muito? Perguntei.

- Estamos em grupo e o amigo que está de carro a levou ao hospital. Ainda não sei o que aconteceu. Outros amigos estão aqui e também viram o acidente, disse o motoqueiro acidentado.

- Aqui você tem meu nome e telefone. Precisando é só chamar. Presenciei tudinho. A motorista do carro lhe deu uma bela fechada. Sou motoqueiro, também. Bela a sua moto. Machucou muito?

E assim, a história chega ao fim. Meu marido deixou o telefone com a vítima daquela motorista imprudente, no final da tarde desse domingo, na Avenida República do Libano, aqui em São Paulo. Deixamos o motoqueiro e seus amigos, a motorista e sua Mãe aguardando a policia para o BO.

Tomamos lanche no Rancho da Empada e elas estão me contando suas histórias pessoais nos mais mínimos detalhes. Haja!

Bjkª. Elza
quinta-feira, outubro 15, 2009

PostHeaderIcon Dia do Professor

Tenho boas lembranças de alguns professores e outras, muito amargas.
Quero falar em coisas boas e por isso, gostaria de me lembrar do nome daquela freira que descobriu que eu sou míope. Eu já estava no segundo ano e ninguém, até então, notara que eu não enxergava o suficiente. Naquele ano, de óculos, dancei vestida de índia no palco da escola. Deve ter sido hilário, mas eu não me lembro nem da festa, nem do motivo dela.
Mudei de escola e tive uma professora linda, ruiva de unhas enormes. Dona Astrid. Também gostei dela e queria imitá-la. Achava-a elegante e bem vestida.
Mudei de escola, outra vez e por qualquer razão que nem imagino, chamei a atenção do professor de Português. Ele tinha a maior paciência comigo e jamais exigiu-me conhecimentos técnicos. Eu redigia e ele me incentivava. Faleceu faz poucos anos, com bastante idade. Sempre tive muito carinho por ele, meu querido Professor Geraldo.
No colegial uma professora de história, tida como doida e ranzinza fez amizade com minha turma e só posso dizer que ela era divertida e inteligente. MOrreu numa mesa de cirurgia plástica. Ofélia, deixou saudade.
A relação com os professores na faculdade era totalmente diferente. Não me lembro os nomes dos mestres, mas me recordo de situações deliciosas vividas tanto na Geografia como no Direito.
Em outras palavras, algumas dessas figuras me deixaram boas lembranças.
Respeito todos eles, desde a freirinha que descobriu minha miopia; o mais antipático que me prejudicou; passando pelo mais alegre que ia para os bares tomar chopp com a turma e os inúmeros doutores que me ensinaram o que é ciência, como redigir uma trabalho e defender uma tese.
Todos os meus mestres tem meu carinho porque, lecionar não é para qualquer um. Para lecionar é preciso muito talento, força de vontade e conhecimentos sobre o ser humano em formação.
Bjkª da Elza
sábado, outubro 10, 2009

PostHeaderIcon Aniversário




Meu blog do UOL fez 5 anos.

Considero esse uma continuação daquele, de modo que, também completou a mesma idade.

Acho que é por isso que ando um tanto desanimada com eles.
Dias atras recebi um selinho da Ana, mas minha incompetência me impede de coloca-lo aqui. Tentei copiar e colar aqui, mas não foi possível. Essa lembrança me sacudiu e me fez comemorar o aniversário do blog. Obrigada, Ana.

Bjkª. Elza
terça-feira, outubro 06, 2009

PostHeaderIcon Panqueca

- Mana, preciso de ajuda e acho que você é minha salvação.



Quando a conversa começa nesses termos meus pelinhos da nuca arrepiam.



- Minha filha voltava para casa, no sábado à noite e achou uma cadelinha no meio de um cruzamento. Maltês, recem tosada, cheirando a talco. Linda!



- Mano, eu tenho cachorro e gata em casa. Meu apartamento não comporta mais bichos do que pessoas.



Essa conversa deu-se no domingo à noite, depois de eles terem anunciado a cadelinha em todos os pets da região em que moram, aqui em São Paulo. Tentaram presentear a sogra com ela, mas não deu certo. Ela gosta de vira-lata para ficar no quintal e comer restos de comida e não uma senhorita frufru.



No dia seguinte:



- Sobrinha, tenho alguns contatos e vou tentar colocar numa boa casa. Você tem fotos dela? Pode me enviar?



- Tia, tenho toneladas de fotos dela, mas quero que você a adote. Por favor, tiiiiiiiiiaaaaaaaaaa...



A partir daí teve inicio o segura coração, já que estou querendo arrumar companhia para o Baltazar. Meu marido foi outro que se animou e recusou a baixinha. Eu adoraria ter uma cadelinha em casa, mas e se ela e a Thelma se desentenderem???



- Filha, não posso ficar com ela, mas vou ajudar no que puder.



Liguei para algumas conhecidas que estão sem cachorro, mas todas de luto pela morte dos bichos recusaram a maltês.



Falei com minha amiga protetora e ela saiu a campo e achou 2 casas para a baixinha. Passamos metade do dia trocando e.mails e falando nela. Foto vai, foto vem, escureceu e dormi.



- Mana, uma amiga da minha filha passou por aqui e carregou a Panqueca embora.



Já agradeci a todos pelo esforço.



Ah ... Panqueca? Ninguém sabe porquê! Minha sobrinha olhou poara ela, para as patinhas feridas e olhar súplice e tascou-lhe o nome.



Historinha besta, né? Verdadeira, contudo.


Elza

EM TEMPO: DIAS DEPOIS OS DONOS ACHARAM O ANUNCIO DEIXADO NUM PET E FORAM BUSCAR A BONITINHA. FINAL FELIZ, NÉ?
sábado, outubro 03, 2009

PostHeaderIcon LIção para mim

Certa vez, um sultão sonhou que havia perdido todos os dentes.
Ele acordou assustado e mandou chamar um sábio para que interpretasse o sonho.
"Que desgraça, senhor!", exclamou o sábio. "Cada dente caído representa a perda de um parente de vossa majestade!"
"Mas que insolente!", gritou o sultão. "Como se atreve a dizer tal coisa?!"
Então, ele chamou os guardas e mandou que lhe dessem cem chicotadas.
Mandou também que chamassem outro sábio para interpretar o mesmo sonho. O outro sábio chegou e disse:
"Senhor, uma grande felicidade vos está reservada! O sonho indica que ireis viver mais que todos os vossos parentes!?"
A fisionomia do sultão se iluminou, e ele mandou dar cem moedas de ouro ao sábio.
Quando este saía do palácio, um cortesão perguntou ao sábio:
"Como é possível?? A interpretação que você fez foi a mesma do seu colega!!! No entanto, ele levou chicotadas, e você, moedas de ouro!"
Respondeu, então, o sábio:
"Lembre-se sempre, amigo, tudo depende da maneira de dizer as coisas..."
Esse é um dos desafios em nossos relacionamentos. Desafio para as lideranças, para os educadores, para todos nós: a maneira de dizer as coisas, porque as palavras têm força, têm poder. Elas podem gerar felicidade ou desgraça, moedas de ouro ou chicotadas, paz ou guerra.
A verdade deve ser dita, mas a forma como é feita pode fazer toda a diferença.Que aprendamos a pronunciar palavras que elevam que tocam no coração, que transformam e que possibilitam uma convivência melhor nas famílias, nos grupos de amigos e nas equipes de trabalho!
Publiquei essa mensagem que recebi via e.mail porque sou mestra em atropelar tudo e agir como um elefante dentro de uma cristaleira. Sou useira e vezeira em dizer as coisas com todas as letras sem me preocupar com os ouvidos alheios.
Publiquei para ter um lembrete e alerta.
Bjkª. Elza
sexta-feira, outubro 02, 2009

PostHeaderIcon Campanha de saneamento

Ouvi dizer que existe essa campanha no Rio de Janeiro e acho que seria de bom alvitre que ela deixasse de ser regional para tornar-se nacional.


CARROS DO RIO DE JANEIRO CIRCULAM COM O ADESIVO:

BALA PERDIDA É DESPERDÍCIO.
VÁ A BRASÍLIA E ACERTE O ALVO
!
Bj. Elza

Thelma Louise

Thelma Louise
Minha gatinha querida

Pesquisar este blog

Perfil

Elza Maria sempre em busca de respostas. Paradoxal, curiosa, inteligente, crítica, observadora, sentimental, habilidosa, amorosa, sensível, disciplinada e um montão de outras coisas. Ser humano normal, comum, mediano, mas que gosta de escrever e está no quarto blog.

Arquivo do blog

Atualizaçoes

Seguidores

Miau

Get the Maukie - the virtual cat widget and many other great free widgets at Widgetbox!

Passaram por aqui

Créditos

Template: Meiroca.com
Foto: Silvia Perutti