sexta-feira, dezembro 21, 2012

PostHeaderIcon Sentimentos

Dia lindo. Céu azul com poucas nuvens. Brisa deliciosa. Cachorro aos meus pés e gata sobre a mesa me acompanhando. Maria varrendo a casa e as férias se avizinhando. Presentes de Natal comprados. Arrumação da casa pronta. Torta de sorvete para a ceia encomendada. Já falei com todos os que admiro e amo. Marido saudável e de bom humor está bastante companheiro.
Então, por que essa tristeza? Uma coisa misturada com saudade, com vontade de chorar, num misto de arrependimento e esperança que não sei explicar?
De repente, um desejo de ir ao cemitério e olhar aquela lápide com os nomes de meus pais. Para quê? Eles não estão lá!
Ambos estão na minha memória, no meu DNA, nas minhas atitudes. O que foi sepultado lá era a materia e não o espírito. A matéria eu não posso ver ou tocar.
Sinto falta de armar a árvore de Natal imensa que minha Mãe trazia para casa. Era eu quem colocava os enfeites, os laçarotes, embrulhava os presentes e os arrumava no chão.
Era eu quem escolhia a toalha para a ceia e colocava a mesa com toda pompa e circunstância. Eu lustrava os cristais para ve-los brilhando sobre a mesa. Usava os pratos de gala e os talheres da sala de jantar.
Minha Mãe e a empregada faziam o tender e meu Pai ajudava, pois, era ele quem buscava as frutas e o sorvete.  
Ele colocava em envelopes dinheiro para cada um de nós, com cartõezinhos especiais. Amarrava na árvare dias antes da ceia e ficava nos provocando a respeito do valor destinado para cada um.
Na véspera, cada irmão chegava com a familia e agregados e a casa se iluminava. Todos falavam ao mesmo tempo e os presentes era dispostos embaixo da árvore para a distribuição após a ceia.
Todos ajudavam. Uns pegavam o gelo, outros a bebida, os salgadinhos era colocados sobre a mesa de centro e o cheiro de comida invadia a sala.
Fotos eram tiradas e as crianças fazia uma enorme algazarra em volta da árvore e se entupiuam de refrigerantes.
Aos poucos começávamos a falar sobre o Natal e o significado daquela reunião. Lambravamos dos ausentes, ou por estarem com seus familiares mais próximos ou porque já haviam passado para outra vida. Essa era nossa oração.
Cantavamos musicas de Natal e minha Mãe me chamava para ajudar a colocar a comida à mesa. As cunhadas vinham ajudar e todos reunidos, comiamos com muita alegria.
Meus irmãos, muito cheio de gracejos, faziam a alegria da mesa.
Após a ceia, os presentes eram abertos e os envelopes desvendados. Muita risada. Muitos abraços. O espírito está lá, junto de nós e acompanhava meus irmãos e suas familias para casa.
Eu arrumava a sala e deixava a mesa semi pronta para o almoço do dia seguinte. Todos voltariam para dar continuidade à festa. Outros agregados poderiam chegar e participar da nossa confraternização.
É disso que estou saudosa. Sinto falta desse ambiente caloroso, sem brigas, sem inveja, sem maldade. Sinto falta de estar entre os meus.
Hoje sou só. Não tenho familia para reunir o que me deixa com aquele sentimento estranho, misto de saudade, arrependimento, solidão e não sei mais o quê.
Faz anos que frequento festas alheias e nenhuma aquece meu coração.

Elza

sábado, dezembro 08, 2012

PostHeaderIcon Coisas de Maria

Conversando com minha amiga Daniela, ficamos sabendo que nossas secretárias do lar são Maria, assim como tantas outras.

As Marias são fantásticas e aos poucos vou contando as histórias delas.

Minha casa está bem cuidada e ela ama os bichos. Cuida do Baltazar e brinca com ele; escova a Thelma e não se esquece da pasta para ajudar a empurrar os pelos que ela come. Cuida de mim e do maridão como se fosse nossa mãe. É comum ela me perguntar o que teremos para o jantar antes de eu tomar o café da manhã. Tenho vontade de jogar o litro de leite nela, mas, me contenho!

A minha Maria chegou me contando que dera uma surra no filho mais velho porque ele não queria ir para a escola. Fiquei uma fera com ela. Isso não é forma de educar. Expliquei, conversei e demonstrei que batendo ela não conseguiria melhor desempenho do garoto, então com 12 anos. Fiquei intrigada por saber que ele não ia para a escola e ficava em casa, quietinho, vendo televisão.
- Maria, traga o garoto aqui que quero conversar com ele.
- Menino, porque vc não quer ir para a escola? O que acontece lá que vc não gosta? Os meninos ficam zoando vc? Vc sabe ler e escrever? Vc entende o que os professores falam?
Pedi para ele ler um texto para mim e percebi a enorme dificuldade dele. Não consegui maiores detalhes.
- Maria, para mim esse menino é DISLEXICO. Ele tem dificuldade de aprendizagem e lê mal. Ele não consegue acompanhar a turma e tem vergonha. Se ele fosse sem vergonha, fugia da escola e ficava na rua. Ele vai para casa.
Ofereci para ela o endereço da Associação dos dislexicos e ela não procurou.
A escola arrumou uma psicóloga para o garoto que, depois de 3 meses diagnosticou: DISLEXIA e, por consequencia, imaturidade.
Estou em tratativas com uma faculdade pra cuidar dele no ano próximo e Maria está toda feliz.
- Dona Elza, a Senhora deveria ser psicóloga!
Puro chute!


A Maria, da Daniela, chegou muito preocupada e disse:
- Doutora, a médica disse que preciso operar a "prosta".
- Maria, você tem 3 filhos e menstrua, de modo quem com certeza você não precisa ser operada da prostata!
- Mas a médica falou, Doutora!
- Deixe-me verificar seus exames, disse Dani, que é médica. Ô Maria, vc tem OVÁRIO POLICISTICO e precisa opera-lo! Não tem "prosta" coisa alguma!

Claro que virou piada e Daniela falou para o marido que Maria precisava operar a "prosta":
- O quê?????????????? Temos um travecão em casa sem sabermos?

Bjs e até a próxima.


quinta-feira, novembro 29, 2012

PostHeaderIcon tenho surdez seletiva, esporádica e conveniente

Nada como viver a vida e aprender com os fatos corriqueiros, não é?
Aprendi a não discutir com ninguém.
Meu irmão dizia que não adianta explicar para quem não vai entender.
Quem não vai entender? Quem perguntou e gerou uma discussão.
Ninguém conseguia tirar meu irmão do sério. Ele não discutia com ninguém. Quando necessário, ele usava de lógica e derrubava o outro.
Muito forte essa postura, mas conveniente.
Eu aprendi a ser surda por conveniência, já que não domino a lógica.
Fale o que quiser que eu só ouço o que me interessa.
Ela é seletiva, por óbvio e, o mais interessante é que é esporádica.
De um momento para outro passo a ouvir, até o canto do passarinho.
Junto dessa surdez maravilhosa, me ocorre lapsos de burrice aguda.
Isso mesmo, não consigo entender o que está sendo dito, especialmente quando se trata de provocação.
Já contei daquele motorista que queria passar na minha frente e foi desastrado nas 4 tentativas e acabei na frente dele? Pois então, bonito, numa BMW toda charmosona, ficou irritado e me chamava de vó, dizia que eu era mal amada e tentou me tirar do sério me chamando de velha.
Fiquei surda diante dos disparates e burra, muito burra. Enviei beijinhos soprados para ele. Sorria como uma verdadeira imbecil e continuei a enviar beijinhos para ele.

Ah ... como é boa a maturidade. A sabedoria me dá muita paz.

Bjs. Elza
sábado, novembro 24, 2012

PostHeaderIcon Duvida

Por que o caso Eliza Samudio ficou tão importante?
Quem foi essa garota? Uma mocinha pobre que saiu do interior e engravidou de um goleiro inexpressivo, mas que jogava num time grande.
Ela era a chamada Maria Chuteira e ele, um jovem de origem humilde que ganhou muito dinheiro e não sabia o que fazer com ele, mas não queria sustentar o filho que gerou.
Os requintes de crueldade descritos por um menino, que foi assassinado, chocaram a todos nós. Todavia, o corpo de Eliza não foi encontrado e os requintes de crueldade não foram comprovados.
Por que esse crime tomou as manchetes dos jornais? Será que para tentar encobrir as condenações do mensalão?
Elza
terça-feira, outubro 23, 2012

PostHeaderIcon Do Amor III

Eu já disse que não sei o que o amor.
Acho, também, que não sei amar.
Apesar disso, tenho sentimentos que chamo de amor, por pura IGNORÂNCIA.
Penso comigo que não basta dizer "te amo" como eu ouço nos filmes americamos.
Do nada e sem pertencer ao contexto, alguém diz para alguém "eu te amo".
Acho que amar é mais do que uma declaração simples e vazia.
Penso que amar é um ato que tem diversas nuances, inclusive envolvimento e comprometimento com o outro.
Para mim, quem ama cuida, estimula, protege, ampara, compartilha.
Não é porque ama que tem que ficar junto, mas tem que dar noticias. Tem que respeitar as fragilidades do outro e, antes de mais nada, se respeitar sempre e sempre.
Amar não pode ser apenas um verbo.
Dizer que ama é vazio, oco e sem sentido se não há atitude amorosa.
Ouvir esse "eu te amo" a qualquer momento é besteira. Vale mais um gesto de proteção, um dar-se, ou sei lá o quê, do que uma frase fácil e digerivel.
Por que estou falando tanto em amor?
Simples, estou me sentindo mal amada por pessoas que eu pensei que me tivessem em boa conta. Pessoas que se reunem sem mim, pessoas que se comunicam entre si e nunca tem tempo para mim; pessoas que fazem parte do meu sangue e que esqueceram meu telefone.
Minha ficha caiu de repente, pois, eu não sabia desse relacionamento íntimo deles e da minha exclusão.
Uma bomba explodiu dentro do meu coração e ele está aos pedaços.
O pior é que uma dessas declarações vazias e sem sentido chegou a mim e me deixou revoltada o que só piorou minha mágoa.
Amor se conquista e fui incapaz.
Elza
sábado, outubro 20, 2012

PostHeaderIcon Do amor II

Conversando com um amigo o esclarecimento para minha angustia chegou: familia nós não escolhemos, amigos, sim.
Ele me disse que só gosta de quem gosta dele.
Dificil, para mim.
Eu gosto.
Impossivel viver de retornos, mas também não quero sofrer pela falta deles.
Muitos anos passados precisei emparedar meus sentimentos por uma pessoa que deveria ser a mais importante da minha vida. Sofri muitissimo.
Estou vivendo a segunda etapa desse processo. Desta vez as pessoas não tem a mesma importância.
Ninguém disse que viver seria fácil.

Elza
quarta-feira, outubro 17, 2012

PostHeaderIcon Do amor

Amor eu não sei o que é.
Sei que parece um sentimento misturado com tristeza, alegria, do qual se espera felicidade constante e inatingível.
Amor não se pede, não se compra e nem se empresta. Para que ele não pereça deve ser alimentado com fortes doses de carinho, respeito; compreensão e paciência.
Estou falando em amor e não no sentimento que leva um casal a se unir, pois, nesse sentimento também está envolvido o desejo físico.
Falo no amor de irmãos, entre pais e filhos, entre tios e sobrinhos; entre primos e assim por diante. Sempre pensei que esse amor fosse incondicional e espontâneo.
A inocente aqui pensou, durante muitos anos, que bastava serem primos para se gostarem e se tratarem bem; tios e sobrinhos se gostavam do nada; irmãos eram unidos e únicos.
Balela!
Amor é conquista diária, é dação sem fim.
No entanto, não existe reciprocidade e não é verdade que só é possível amar quem nos ama.
Quando se ama há respeito e dedicação ao ser amado. Sem respeito não há amor. Sem demonstrações de querer bem também não há amor que resista.
Não estou deprimida, apenas acabei de desistir de três pessoas que eu amo e que não me amam.
Demorou muitos anos para eu perceber que essas pessoas não me apreciam e estou um tanto triste. Tenho dificuldade de lidar com a rejeição, e com a verdade de ser desconhecida e desnecessária para essas pessoas, especialmente porque ainda não as deixei de amar.
Vamos em frente. Nada como um dia atras do outro.
Elza
domingo, setembro 02, 2012

PostHeaderIcon Bolo de maçã

Faz tempo que venho lutando para fazer um bolo bonito e gostoso.
Errava feio!
Ora ficava cru, ora torrava, ora batumava ...
Nada de acertar.
Até bolo de caixinha eu consegui errar!!!
Como sou razoavelmente inteligente, tratei de analisar o que estava acontecendo e concluí que minha assadeira é pequena para massa de bolo e que estava colocando o forno em tempeatura errada.
Fiz a seguinte receita:

Bolo de maçã
3 maçãs vermelhas
3 ovos
2 xícaras de açúcar
2 xícaras de farinha de trigo
1 1/2 xícaras de óleo
1 colher de fermento para bolo
1 pitada de sal
Uva passa e canela ( se quiser) Não coloquei

Descascar as maçãs e colocar as cascas no liquidificador com os ovos e o óleo; à parte, misturar os  ingredientes secos; picar as maçãs, juntar ao creme obtido no liquidificador.
Misturar tudo e levar para assar em forma untada.
Pode ser também  forma de buraco.

Quando estava colocando a massa na forma despejei um tanto numa forma menor e a maior parte na forma de furo no meio.
Outra coisa, aqueci muito bem o forno antes de iniciar o processo de assar e, deixei o forno quente para o bolo crescer e depois baixei a temperatura para 180ºC.
Meu bolo ficou perfeito e é muito saboroso.

Elza
domingo, agosto 12, 2012

PostHeaderIcon Meu Pai

Pai, para mim você foi o maior, o maioral, o mais carinhoso e compreensivo dos Pais.  Para mim, nossas conversas eram perfeitas, mesmo quando discordavamos ou mesmo brigavamos. Certa vez eu li, alhures, que eu era a pessoa que mais conseguir irritá-lo. Ao mesmo tempo vc me dizia que apreciava trocar idéias comigo, pois, eu era ponderada.
Sabe, Papai, faz muitos anos que você se despediu de nós e muitos anos que veio me ver para me contar que estava bem e subindo degraus nesse outro mundo onde está, mas, para mim foi ontem que deixei de ver seu corpo físico. Foi ontem que você deixou de me brindar com sua voz, suas piadas, seus conselhos, seu ciume, sua amizade.
Possivelmente eu lhe daria um pulover, hoje, de cor clara e alegre como era de seu gosto. Almoçaria em sua companhia, assim como o Miltinho e familia dele. O Beto faria falta e todos nós falariamos muito sobre ele, a vida que ele escolheu e a morte recente e prematura.
Minha admiração por você só cresce a cada ano que passa e a saudade está se transmutando num sentimento lindo e indolor. Não sei explicar esse sentimento, mas sei que você me entende quando vem me ver e conversar comigo. Sinto o seu sorriso maroto quando se vai assim que percebo que é você aqui do meu lado e sinto muito não poder abraçar você e sentir o seu coração batendo e o calor do seu carinho.
Qualquer hora vc virá me buscar, junto do Beto, da Madrinha e de outras pessoas que amei. Ficarei muito feliz por ve-los de novo.
Por favor, toque Imagine do John Lennon para mim na minha chegada, tá bom?
Caso você prefira, por tocar Ivã Lins cantando "Começar de novo", que é bem a minha cara.
Fico por aqui, com todo o amor que posso lhe dedicar nessa data.
Beijo carinhoso dessa filha que não sabe esquecer,
Elza Maria
sexta-feira, julho 20, 2012

PostHeaderIcon Ordem na casa

Os dias pasam voando. Muita coisa para fazer. Cabeça ainda avoada.
Misturo coisas; esqueço algumas e me atrapalho com outras.
O buraco está sendo preenchido com muito carinho, saudade e respeito, ou seja, minhas formas de externar amor ao que se despediu de nós.
Faz dias que não choro, mas muito me emociono ao me lembrar daquele irmãozão.
Adoro o transcurso tempo. Ele coloca tudo no lugar!

Elza
terça-feira, julho 17, 2012

PostHeaderIcon Nada como o tempo


Aquela dor esmagadora, imensa e descontrolada está cedendo ao bom senso.
Claro que a tristeza não se esvai assim, num picar de olhos, e a sensação de perda e de vazio não desaparece porque choveu, mas, as coisas tendem a se acalmar, entrar nos eixos e tomar suas verdadeiras proporções.
Adoro o transcurso do tempo, mesmo sabendo que ele me deixa mais velha e enrugada.
Elza
sábado, julho 14, 2012

PostHeaderIcon Thelma Louise

Consegue ser a mais chata e mais doce das gatas.
Quando ela quer atenção começa a miar e  andar em círculos.  Vem até mim e mia, mia, mia... Sobe na minha mesa, coloca o queixo sobre meu teclado e fica me olhando com aquela cara de "Mamãefazfavor ...!!!" O rabo abana de um lado para outro e varre o que for leve, de cima da mesa. Fica me olhando insistentemente e, de repente, do nada, miiiiiiiiiiiaaaaaaaaaaaaaaaa. Desce da mesa e sai pela casa miando. Vou atras. Ela e enrosca nas cadeiras da sala, senta e mia. Ameaço andar e ela corre em direção ao banheiro. Para me olha, mia e volta para a sala. Assim fica por um tempão.
Eu sei o que ela quer: ME ATORMENTAR!!!!
Quando ela quer água corrente, corre em direção ao banheiro, sobe no lavatório e me espera. Quando quer comida, vai para o pratinho e me espera. Quando quer ser escovada, sobe na bancada e empina o rabo. Quando quer brincar, sobe na cama e me espera para o esconde-esconde predileto.
Tem hora que ela não quer nada disso, mas precisa de atenção e então, me atormenta!
Nesse minuto ela está aqui do meu lado. Placidamente, lambe a pata dianteira.
A mais recente novidade é que ela se encosta o Baltazar para dormir e se aquecer. Ele deixa, o que em encanta. Ela adora as camas dele e se apossou das duas, mas, durante a noite, ela gosta dos meus pés. Ele também, o que é um problema enorme.
Ainda bem que tenho esses dois para companhia.
Elza
quarta-feira, julho 11, 2012

PostHeaderIcon Colhemos o que plantamos

Sem cabotinismo, sem falsa modéstica, sem vergonha eu afirmo que plantei e colhi.
Minha e só minha a competência para saber que o solo era bom e as sementes de primeira categoria.
Reguei e cuidei das sementes. Adubei com muito respeito, carinho e dedicação aquele solo desconhecido.
Resultado: nesses dias difíceis que enfrento, tenho recebido as mais lindas e calorosas demonstrações de afeto, compreensão, solidariedade e amor. Muito carinho, muita atenção, mãos me acariciando e lábios me dizendo sábias palavras de amor e de conforto.
Acho que superei minha enorme dificuldade de ser amada.
Obrigada amigos blogueiros, amigos virtuais, amigos pessoais, colegas e até parentes,
Vocês são um esteio para mim.
Bjs. Elza
segunda-feira, julho 09, 2012

PostHeaderIcon Alivio

A dor da perda é imensa.
Dói de verdade, mas não machuca; não derruba, não destrói.
Apenas dói, e muito.
Saber que quem se foi parou de sofrer abusos hospitalares é imenso alivio, que dá prazer.
A passagem não dá alivio, e, sim, a libertação de quem deixou de sofrer.
A ausência até minha passagem será sentida, mas aos poucos, o sentimento transmuta e traz o alivio.
Compreender e aceitar os caminhos do espírito, desde a escolha primeira, até o término de missão ajuda muito. Isso não é religião, é filosofia.
Espírito, alma, energia pura ou seja lá o nome que tenha essa essência, deixou o corpo físico e juntou-se à essência informe que nos move nesse mundo material, sem o entrave do corpo.
Aceito todas as teorias, verdades, criações ou sei lá o quê, mas, o buraco dentro do meu coração existe, é meu e pretendo, aos poucos preenche-lo com muito amor ao que se foi e a todos os que me amparam nesse momento de angustia.
Choro a perda e ao mesmo tempo sorrio para ela.
Elza
quinta-feira, julho 05, 2012

PostHeaderIcon Perdas


Já disse e repito que trabalho com dificuldade as perdas que a vida me impõe.
Sofro, choro, me deprimo, mas ao mesmo tempo entendo e procuro ser racional.
Perder ascendentes é muito dificil, pois, acabam as referências.
Perder irmão é perder parte de si mesmo.
Irmão é continuação de nós; é aquela figura que sempre está lá. Nós sempre perdoamos os deslizes e eles sempre perdoam os nossos.
Caso não seja assim o problema é de comunicação.
Irmão e primo irmão é para ser parte integrante de cada um de nós.
Tenho um buraco no peito.
Buraco imenso e que levou para dentro de si um braço, ou, uma perna, ou um olho ... sei lá qual parte do meu organismo.
Preciso recuperar essa perda para seguir em frente,
Dói, dói muito perder um irmão.
Elza

PostHeaderIcon Acabou

Meu irmão descansa em outra dimensão.
Consegui enviar um reiki para ele antes da passagem.
Estou triste, mas em paz.

Elza
terça-feira, julho 03, 2012

PostHeaderIcon Reclamando comigo - desabafo

Não aprovo o que está sendo feito. 
Não concordo em prolongar a vida de uma pessoa de maneira forçada e artificial.
Não aceito essa tortura lenta gradual e contínua naquele corpo doente, ferido, que já perdeu o controle de si mesmo numa cama curta para sua altura.
A insanidade e a confusão mental tomaram conta de quem deveria ser cuidadora do paciente. A cuidadora e responsavel por ele age de forma incoerente e obtusa. De pessoa inteligente e capaz transformou-se, por causa da dor, em ser inacessível, tapado e até perigoso. Ao mesmo tempo que tem planos pessoais para depois do passamento e, já decidiu pela cremação e ausência de velório, chega na beira da cama, acorda o paciente e diz para ele que o levará para casa.
Deixa de usar de sua capacidade de parar com essa tortura e permite que o paciente receba carga absurda de medicamentos que não tem qualquer efeito sobre aquele corpo, ou está cega e surda e não ouve o que o médico diz?
Interpreta o que lhe é dito como pode, na sua confusão mental?
Tornou-se obsessiva e ilógica. Diz para o paciente que morrerá junto dele e, ao mesmo tempo, que ele está melhor...
Eu não posso fazer nada. Ela está com o cunhado e 2 filhos e, aparentemente, todos tem esperanças, apesar do que o médico disse. Eles me contaram o que o médico falou e, não entenderam nada.
Isso me põe louca. Já vi isso acontecer por ocasião do passamento de meu Pai. Na véspera dele se desligar, o grupo estava fazendo planos para comemorar o Natal com ele em casa... ninguém se liga na realidade e isso me consome! Estou doente de angustia por não poder fazer nada. O doente não é meu, embora, eu seja irmã.
Qualquer atitude minha resultará num rompimento final de algo que é tênue e sutil.
Os envolvidos nessa perversidade agem como se o paciente fosse sair daquela maldita UTI andando e sorrindo e contando piadas e isso está acabando comigo.
Tudo tem limite. Tudo tem inicio, meio e fim.


Pai Amado, luz,  por favor, envie muita luz para o cuidador e que ele entenda que não adianta manter o corpo aqui, sem a menor dignidade e com dores.
Pai Eterno, eu peço luz, muita luz para o doente e para que o corpo físico possa descansar enquanto o corpo espírital se eleva.


Elza
sábado, junho 30, 2012

PostHeaderIcon Falando comigo, ainda

Já chorei.
Já me desesperei.
Já me acalmei.
Meu irmão está nas últimas. Terminal, nada mais pode ser feito para mante-lo nesse mundo.
Entendo e aceito, mas, a tristeza que me toma é intraduzivel em palavras.
Preciso estar forte e inteira para ajudar minha cunhada e meus sobrinhos.
Juliana já pediu ajuda para o depois.
Minha cunhada me avisou que vai desabar e que precisará de muita ajuda.
Rodrigo parece que está noutra galaxia e não consegue aceitar que o Pai está se desligando de nós.
Cada um tem a reação que pode. Cada um lida com a dor como consegue.
Eu estava durona e entendendo tudo, mas, algo que foi dito abriu a torneira das lágrimas e chorei, me desesperei, reclamei, pedi orações e fiz tudo o que estava ao meu alcance .
A psicóloga do hospital me explicou a dor que eu sentia e a partir daí, achei o caminho para vivenciá-la sem desmoronar, sem me quebrar e me me partir e sem entrar em depressão.Entendi que a dor era de raiva, de frustração e de medo. Já consigo lidar com ela, mas, estou triste, muito triste.
Inteira, todavia.
Um dia de cada vez. Hoje estou assim e ele está vivo, na UTI.
Amanhã é outro dia e quem sabe o que possa acontecer?

Elza
sexta-feira, junho 29, 2012

PostHeaderIcon Alienação


Taí uma coisa que me põe doida. Me revolta, de fato.
Como pode??? Alienação é sentença de morte, é o absurdo dos absurdos.
Como é possível uma pessoa estar sabendo de fatos relevantes na familia e manter-se alheia a tudo?
Isso não é papel de ser humano e não merece meu respeito e minha compreensão.
Venha, depois, pedir meu apoio ou reclame que não dei suporte quando a situação se inverter... e ela se inverte, pode acreditar!
Uffffffffff, Falei!
quarta-feira, junho 27, 2012

PostHeaderIcon Conversando comigo



Certa vez um astrólogo fez o meu mapa astral e o do meu irmão, pois, trabalhavamos juntos. Ele ficou espantadíssimo. Disse-me que jamais, em todos os 30 anos de carreira, vira dois mapas tão harmônicos e tão perfeitamente alinhados.
De fato muita vez eu comecei um trabalho e ele terminou e pouco diferença havia após a mudança do autor. Poucas pessoas eram capazes de perceber que eram 4 mãos no mesmo trabalho.
Nós brigamos muito quando meninos e até o inicio da dolescência, mas, depois, nunca mais. Tivemos desentendimentos, é claro, mas brigas, de fato, não.
Nós nos amamos e nos respeitamos. Sempre nos demos s mãos. Sempre nos apoiamos.
Hoje, estou aqui lutando comigo mesma e com minhas lágrimas, porque esse irmão está muito doente, de novo. Está hospitalizado, entubado, sedado e correndo risco de vida, mais uma vez.
Tudo isso porque fuma desde os 9 anos de idade e, pouco a pouco foi aumentando o número de cigarros até chegar ao absurdo de 80 ao dia. Acendia um no toco do outro.
Está na UTI com todas as doenças pulmonares graves e incurávis que existem, com taqueostomia e no ventilador. Pouco respira sem auxilio. Todo o organismo está sofrendo: coração fraco e arritmico; o único rim sofrendo; o fígado sobrecarregado e, uma infecção hospitalar na urina.

Beto, vc tem inúmeros defeito, como eu e o resto da torcida do Corinthians, mas mesmo assim eu amo vc. Num momento muito dificil da minha vida vc me falhou, não me entendeu e nem buscou me entender. Fiquei muito magoada e, assim mesmo, continuei amando vc e ainda o amo.  Não posso imaginar minha vida sem você.

Tem muita gente orando por você. Minhas amigas mandam bons pensamentos e desejos e recuperação.

Tou cansada demais para brigar com vc, mas quero que vc me veja com os olhos em HD que acabei de recuperar. Quero que vc saiba da minha vitória no MS que impetrei por causa de uma juíza loira. Tenho tantas coisas para lhe contar... quero conversar com você a respeito da nossa infância, dos lugares em que moramos e dos amigos que tivemos.

Beto, talvez vc esteja prontinho para se despedir de nós, mas eu não estou pronta para ficar sem vc.

Façamos um trato: se vc está pronto, vá.

Eu me viro por aqui. Tenho amigas que podem me ajudar. marido que está sensibilizado com a sua situação atual. Meu carinho não diminuirá nem um pouquinho, fique certo disso.

Agora, se vc não está pronto e se não é sua hora, trate de saiar dessa UTI e volte à vida. Aprenda sua lição de uma vez por todas e retorne para continuar sua caminhada. Você é muito jovem para se deixar levar. 

Muitos beijos e carinhos de sua irmã, Elza Maria
sábado, junho 23, 2012

PostHeaderIcon Catarata



Descobri que estava com catarata no olho direito faz pouco mais de um ano. A impressão que eu tinha era de um véu cobrindo tudo o que eu olhava. Podia passar a mão, pingar colirio ou limpar as lentes dos meus óculos que aquele veu não me deixava.
Aos poucos ele foi aumentado de tamanho e me atrapalhando para ler e, também passou a refletir as luzes noturnas e os faróis dos carros. Parei de guiar à noite e me senti mutilada. Perdi minha autonomia e comecei a cogitar uma cirurgia.
Como trabalhar o medo?
Tenho histórico complicado e longo com esses lindos olhos de alta miopia e só de imaginar que algo poderia não dar certo me tirava a segurança.
Fui ao oftalmo indicado e gostei muito dele. Moço, objetivo, prático e direto. Disse-me que o olho esquerdo também já tinha desenvovido a doença. Eu nem notara devido ao alto grau de miopia desse olho.
Marquei a cirurgia e pedi oração para todos os meus conhecidos.
Claro que a cirurgia foi muito bem, a recuperação melhor ainda.
A dificuldade para enxergar com um olho operado e com a miopia corrigida e o outro, sem o beneficio resolvi tirando a lente do olho operado e usando óculos de uma lente só. Horrível, mas me ajudou.
Os dias se passaram e o outro olho foi operado. Sai do hospital sem tampão e lendo tudo o que passava pela minha frente. Recuperação perfeita.
Pela manhã eu sinto que algo está errado ao me levantar sem colocar os óculos e demoro alguns minutos para entender que estou enxergando. Meu nariz está marcado pelo peso das lentes e da armação que usei pela vida inteira, com alguns lapsos de lentes de contato. Acredito que com o tempo as marcas sejam suavizadas, mas não tenho certeza.
A dificuldade maior é aceitar as muitas marcas do tempo que eu nunca observara por causa da cobertura que os óculos e a catarata me davam.
O tempo passa e destroi o físico, mas constói o emocional e o espirirual para compensar.
Bjs. Elza
quinta-feira, junho 21, 2012

PostHeaderIcon Momentos dificeis

Incrível como pode mudar o rumo da vida em poucos dias.
Tudo andava bem e, com tranquilidade, as coisas profissionais entravam nos eixos.
De repente, mortes e doenças entraram no meu discurso diário e só se ampliam com o transcurso do tempo!
Nem vou enumerar as perdar que sofri e as doenças que me rondam, pois, muita gente está passando por isso e eu pareceria a asa negra da graúna a trazer peso e tristeza para essa blogosfera tão querida.
Todavia, espantada e apreensiva estou com esses acontecimentos e com essas noticias.
Pronto, desabafei!
Bjs. Elza
sábado, junho 16, 2012

PostHeaderIcon home/mulher

Não se trata de homem versus mulher ou homem e mulher, mas sim, o que penso desses dois bichos da mesma espécie e de sexos diferentes.

Em todas as partes do mundo, em todas as civilizações, em todas as culturas existe o terceiro sexo, ou seja, aquele que vestido num corpo age como se pertencesse ao outro. Não conheço esse assunto a fundo, mas sei que existem os homossexuais, os transsexuais, os transgêneros e poraí afora.

Nada contra. Pouco me importa que boca o outro está beijando ou quem o satisfaz sexualmente.

Todavia, uma coisa me incomoda e sinto muito se pisarei nos calos de todo um grupo: aqueles que nascem do sexo masculino, por mais que se esforcem por serem fêmeas, não o são e jamais o serão. Os hormônios, o formato do corpo, o cérebro e muito mais da estrutura física são diferentes das mulheres.
A forma de raciocinar é o encanto que faz a diferenças entre homem/mulher.
Homem tem pés e mãos grandes e tem gogó. O calcanhar é revelador.
Portanto, por mais que se esforcem, os homens continuarão a ser homens.

Mulheres se enchem de hormônios e mudam a forma do corpo, mas continuam sendo mulhres, com carecteres externos de feminilidade apesar da retirada das mamas. Mulher não tem gogó e tem mãos e pés pequenos. O calcanhar é revelador.
Portanto, somando-se essas características externas com a forma de pensar e  sentimentos diferentes, mulher continuará a ser mulher.

Essas pessoas que sentem que precisam mudar de sexo quando aceitam a mutilação da genitália não sentem prazer sexual por falta das terminações nervosas e irrigação sanguínea.

Eu disse que não era conhecedora do assunto e repito, para que não sejam feitas críticas severas ao que estou dizendo.

O que me deixa aborrecida e intrigada é que alguns homosexuais querem a Parada Gay politizada, mas a grande maioria comparece para a bagunça, para o carnaval fora de época, para exibir fantasias extravagantes e fazer sexo.

Assisti a um programa na televisão que fez belo resumo dessa Parada ocorrida em São Paulo a partir da gravação de todo o desfile na companhia de policiais, políticos e povo em geral.

Depois do que assisti, comecei a pensar que essa parada do ORGULHO gay é um escracho a mais nessa sociedade já tão recheada de inversão de valores.

É isso.

















quarta-feira, maio 23, 2012

PostHeaderIcon Indignação

Será que só eu tenho memória?
Sem citar nomes, os mesmos estão em evidência na política nacional desde que me entendo por gente. Alguns já se foram e desses, a minoria se foi como heroi sem qualquer razão plausível. Foram substituidos por filhos e netos que, também não mostraram serviços relevantes. Outos, estão fincados nesses cargos públicos, de eleições duvidosas e, apesar de sinais de senilidade, continuam agarrados ao poder.
O pior são aqueles que eram oposição, chegaram à luta armada para tentar mudar os rumos do país e hoje, estão investidos no poder e o exercem na surdina. Fazem publicar leis e mais leis que só servem aos seus interesses.
Criam CPMI para quê? O próprio presidente da farsa está " se investigando" kakakakakak
Eu gostaria que esse pais tivesse população mais séria, mais comprometida, com menos samba e menos pizza.
Elza
terça-feira, maio 08, 2012

PostHeaderIcon Bronqueolite ou bronquiolite

É a segunda vez que tenho esse problema. No ano passado foi em março. No meu aniversáio eu estava péssima e sem fôlego.
Esse ano a danada da inflamação nos brônquios me pegou em meados de abril por causa de produto de limpeza muito forte e com cheiro marcante.
De lá apra cá estou penando. Já fui a pronto socorro; já estive na pneumologista e agora, depois de reação a medicamento acredito que esteja no caminho da estabilização.
Doença de pulmão é comum na minha familia, tanto do lado materno como do lado paterno, já que há gerações de fumantes antes da minha.
Fumei muito e por longos anos, mas deixei o vicio faz uns 10 e, tornei-me resistente ao cigarro. O cheiro me incomoda e causa fechamanto das narinas. Fumaça, nem de longe pode me alcançar, pois, a bronqueolite se instala em pouco tempo. Ainda bem que não é permitido fumo em lugares fechados aqui em São Paulo. Nada de cigarros em hall de teatros e cinemas. shoppings, restaurantes ... Eu ficaria completamente isolada, não é?
Produtos de limpeza também se tornaram um sério problema, pois, irritam meus pulmões e pronto! Fico péssima e muito irritada.Quem não fica irritado por não conseguir respirar?
Para complicar mais um pouquinho, eu tenho resistência ao bronquio-dilatador. Isso mesmo, esse santo remédio que dilata os brônquios me causa taquircadia muito forte e a sensação que o coitado do coração está preste a explodir!
Ainda bem que estou viva e com saúde suficiente para desabafar meus perrengues.
Bj. Elza
sábado, abril 21, 2012

PostHeaderIcon Doenças e doentes

Aquela vida tranquila, sem dores e sem problemas me deixou faz pouco tempo. Um furacão de doenças graves, hospitalizações, cirurgias e diagnósticos dificeis chegou pertinho da minha porta, mas está do lado de fora. Todos os problemas ocorreram com familiares e em especial do meu marido.
Dificil de administrar, confesso.
Pessoas queridas doentes doem em mim.
Vamos em frente.
Um doente despediu-se e deixou o sofrimento para seus entes mais próximos.
Outro doente está começando sua caminhada para a cura, espero.
Os demais, já estáveis, retornaram às atividades rotineiras.
Continuo atordoada, mas passa!

Bjkªs da Elza
quinta-feira, abril 05, 2012

PostHeaderIcon Parece dificil emagrecer?

Não só parece, como de fato é.
Com o passar dos anos adquiri maus hábitos alimentares. Esqueci que não preciso de grandes quantidades de comida; não preciso de óleos e azeites e margarinas em excesso; não preciso de farinhas, farináceos e massas o dia todo...
O grande segredo para emagrecer pe cuidar das porções que se come. Pesar e mediar as porções até a exaustão e para fixar, para sempre, que nosso organismo sofre com muito peso.
O coração faz mais força e acaba adoecendo.
Nossas veias e artérias se alargam.
O pulmão se estende e por aí afora.
Além disso, com a idade mais avançada a pele perde elasticidade e com o emagrecimento as pelancas aparecem, e só cirurgia para retirá-las.

Por que estou dizendo isso? Para mim mesma, ora!

Preciso e quero emagrecer e fico me repetindo, sem parar, CUIDE-DE, MENINA! CUIDE PARA NÃO COMER MAIS DO QUE PRECISA!

Elza
quinta-feira, março 29, 2012

PostHeaderIcon Impunidade

Nosso Código Penal é de 1.940. Hoje, trata-se de miscelânia de leis que merece revisão.
Os crimes ali previstos e a forma de previsão foi considerada a mais moderna e avançada do mundo. Esse código foi copiado e elogiado por diversos países, mas, envelheceu.
Tornou-se inócuo e, gerou a impunidade.
Paralelamente a isso o governo não fez por modificar essa situação e também, não investiu em educação, no judiciário e menos ainda, na construção de prisões.
Quando falo em prisões, não me refiro à masmorras, mas a prédios em que o condenado seja tratado com decência e, de fato, reabilitado para a vida em sociedade.
Sou contra a prisão como simples castigo, pois, nada resolve e só cria novos bandidos no seu interior.
Sou favorável a penas mais pesadas; prisão perpétua; trabalhos forçados, mas contra a pena de morte e contra a redução de pena como hoje existe. Sou contra o saláro ao apenado e à familia.
Devido ao nosso judiciário capenga e corrupto, permissivo e desmoralizante estamos sem meios de enfrentar a criminalidade. A Policia, desaparelhada e mal paga, faz seu papel e prende, para o judiciário soltar em seguida!
Os bandidos tem moral e nós que pagamos impostos, muros altos.
Eles são livres e agem sem o menor constrangimento e nós, ficamos ilhados e com medo, sem saber o que ensinar aos filhos.
Nossos filhos leem jornal e assistem TV e ouvem as noticias de criminosos de todos os tipos e formatos, nas instituições públicas ou privadas, corrompendo e sendo corrompidos, furtando, matando, extorquindo e por aí afora, sem punição de qualquer espécie.
O que fazer?
Elza
sexta-feira, março 23, 2012

PostHeaderIcon Observação

Noutro dia, passeando Baltazar pelas ruas passarinhadas do meu bairro vi uma mulher andando com dificuldade. Pisava torto e dava passos curtos. Fiquei observando e curiosa porque, aparentemente ela não tinha problema algum. Muito be, vestida, tênis caros nos pés; cabelos tratados e o tal do celular na orelha.
Ao reparar em todos esse detalhes, pude notar que ela estava andando com as pernas abertas.
Olhando com cuidado, para que ela não reparasse na minha curiosidade, vi que ela chutava os pés a cada passada, com as pernas abertas.
Lembrei-me de minha sobrinha que só sabia andar de tênis e também chutava os pés e também mantinha as pernas abertas.
Passei a observar as pessoas na rua e percebi que é comum as pernas abertas.
Falta de orientação, pois, basta uma palavrinha para as pessoas mudarem sua postura e caminharem com elegância e sem dor.
Bjs. Elza
sábado, março 10, 2012

PostHeaderIcon Laboratórios

Detesto passar por exames, sejam físicos, mentais ou de qualquer tipo.
Detesto mãos estranhas mexendo em mim.
Apesar disso, de vez em quando eu cedo ao bom senso e marco hora no laboratório para passar pelo stress de ser examinada, futucada, apertada e radiografada.

Marquei os exames femininos num laboratório chamado CURA, aqui perto de casa. Foi-me recomendado por uma cachorreira, esposa de médico cientista que atestou a seriedade do local.

Como sou cuidadosa, cheguei mais cedo e avisei na recepção que, além dos exames com hora marcada eu deveria passar por outros dois e por isso meu adiantamento. Isso é nada fizeram o mesmo efeito.

Após 45 min de espera e 13 horas em jejum, percebi que pessoas que chegaram depois de mim estavam sendo passadas na minha frente e que eu desmaiaria de fome a qualquer momento. Com baixa de açucar no sangue em virtude do jejum, sou capaz de armar um barraco monumental!

Chamei a recepcionista e percebi que ela estava perdida. Muita gente em pouco espaço. Poucas pessoas no cadastro e muitos pacientes na espera e o calor aumentado.

Fiquei brava, tomei meus docujmentos e requisições de exames e fui embora.

Enviei e.mail para o laboratório e relatei o ocorrido.

Marquei hora noutro laboratório para os exames radiológios e, para me prevenir, fui até lá para fazer os exames que não precisam de hora marcada e voltarei para os demais.

Uma jovem meiga e simpática veio me atender e me furou, mas não achou a veia e gritou por socorro. Um homem chegou, retirou o artefato do meu braço e fez um segundo furo. Certeiro e eficaz. Recolheu o sangue e foi muito simpático.

Comi alguma coisa e esperei para o outro exame. Chamei a moça e disse que estava na hora. Ela quase me queimou com água quente demais! Não me avisou para sair da mesa e colher material noutro local e eu jamais fizera esse exame na minha vida...

Mandei e.mail para o laboratório e sugeri que ela fosse mais treinada.

Lastimável!

Bj. Elza
sexta-feira, março 02, 2012

PostHeaderIcon Surpresa










Nunca imaginei que aquela iniciativa de juntar as colegas de ginásio depois de 45 anos separadas poderia gerar o movimento caloroso e constante que gerou.

O destino colocou 3 das 4 colegas que residem fora de São Paulo, ao memo tempo, na cidade.

Coincidentemente, recebi e.mail de uma, que pouco frequenta nossas reuniões, me pedindo para marcar alguma coisa, pois, ela estava com saudade.

Conversei com as "estrangeiras" e marquei uma pizzada.

Avisei, sem maiores cuidados às demais, que no dia 29, às 20h estaríamos na pizzaria e quem quisesse ir era bem vinda. Caso pudesse me avisar, melhor, pois, eu reservaria mesa.

Marquei sem grandes cuidados, sem organização e sem contar com a maioria. O calor muito forte, meio de semana, todas ou quase trabalham...

Dezessete colegas foram e 4 avisaram de última hora que impedimentos houve e não compareceram.

Uma, que nem se manifestou, apareceu e disse que ficaria "só um pouquinho", acabou saindo junto com o bando, depois de comer, o que nos surpreendeu, dados os problemas estomacais que ela desenvolveu ao longo da vida! No dia imediato passou por uma endoscopia ...

Outra que avisou que "daria uma passadinha" ficou, comeu, bebeu, fotografou, e se divertiu até o fim!

Meus "macaquinhos" do sótão estão soltos e felizes da vida. O encontro foi delicioso e todas se divertiram muito, inclusive eu. Do meu ponto de vista essa pizzada foi a reunião mais alegre e descontraída de todas. Eu designei data e local. Não me dei ao trabalho de consultar ninguém, como fiz das outras vezes.

Na pizzaria, eu escolhi as pizzas que foram servidas.

Algumas me chamam de Mamma e eu sei porque. Escolho, determino, aparto desentendimentos, acolho os chororos ...

No final, o gerente da casa mandou de presente para nós uma torta holandesa deliciosa.

Cheguei em casa antes da meia-noite, feliz e descontraída. Contente comigo e com o grupo.

Ver a turma reunida mais uma vez me enche de realização, pois, não fosse aquele encontro com a Clô, dentro da escola, por causa de eleições para governador de Estado, nada disso teria acontecido.

Aquele encontro me permitiu entrar nas memórias remotas e redescobrir a adolescente dentro de mim; aguçou minha capacidade de olhar as pessoas como elas de fato são; permitiu-me desenvolver novas amizades a partir de antigos conhecimentos. Não digo que foi resgate, mas tem sido um reviver de emoções e uma descoberta de novas sensações.

Alguma colega me disse que eu sempre fui divertida e irônica. Outra me disse que sempre tive olhar arguto e preciso, mas que eu tinha um enorme defeito: falava o que via! Aos poucos descubro como cada uma me via e, confesso, estou encantada.

Assim que eu carregar meu telefone, baixo as fotos e escolho uma bem bonita para colocar aqui. Essa foi batida pela filha da dona da casa. Estou bem no meio, no chão, de blusa vermelha.

Bjs. Elza
terça-feira, fevereiro 28, 2012

PostHeaderIcon Vejo por aí

Saio com o Baltazar quase todos os dias do ano e ando pelas calçadas passarinhadas do meu bairro à toa, sem rumo e muitas vezes sem lenço, sem documento ou telefone celular.
Observo as lojas que são fechadas e são reformadas e depois reabertas.
Sei os pontos em que não adianta montar negócio algum, pois, micados.
Acabo conhecendo pessoas que também passeiam cachorros e obtenho noticias às vezes velhas, mas nem por isso menos importantes.
Noutro dia soube que uma senhora muito linda e simpática suicidou-se. Fiquei muito chocada, embora eu suspeitasse que esse havia sido seu fim há mais de três anos.
Fiquei sabendo que a dona da loja é dona do imóvel e resolveu viver do aluguel que lhe dá mais renda e prazer.
Aquela senhorinha está em sérias dificuldades financeiras e devendo para toda a familia porque seu imóvel ainda não foi desocupado pelos sem teto.
Aquela outra sofreu acidente de automóvel na estrada. Quebrou diversos ossos, teve parada respiratória e cardiaca. Sobreviveu depois de meses de cirurgias e internações. Ficou viuva em decorrência desse evento. Nova, bonita e hoje, só tem o cachorro por companhia.
E assim eu converso e fico sabendo das coisas. Nem preciso perguntar. As pesoas estão muito sós e carentes. Conversam e contam suas particularidades para uma perfeita estranha com a maior naturalidade!
Meu bairro me encanta.
Bjs. Elza
sábado, fevereiro 18, 2012

PostHeaderIcon Carnaval

Já gostei de carnavel. Ia aos bailes do clube e cantava e dançava sem parar, movida a guaraná.
Com o tempo, a farra deixou de me agradar e nunca mais me interessei. Nem pela TV eu apreciava ver as escolas de samba.
Por curto período de tempo assisti algumas escolas do Rio e gostei.
O tempo passa e tudo está como na última vez que perdi meu precioso tempo para assistir a um desfile: letras das músicas incompreensíveis; batuque ensurdecedor, mulheres peladas ou semi-nuas; penas e mais penas por todos os lados; passistas com o mesmo passo; carros alegóricos imensos e cheios de luzes ...
Tanto aqui em São Paulo como no Rio, o princípio é o mesmo e a chatice, também.
Não vejo inovação. Não vejo o povo se divertir. Não vejo espontaneidade nessas escolas de samba.
Em Salvador a coisa ficou estranha. Os turistas colocam um abadá e saem correndo atras de trios elétriocos pelas ruas, sem conhecer as músicas e sem saber sambas ou dançar axé. Todos protegidos por cordões de seguranças. Em volta do cordão de seguranças, do lado de fora dele, o povo anda e bebe e beija.
Suor e mau cheiro não faltam.
No Recife e em Olinda a organização não chegou e não acabou com o carnaval do povo. Os baianos estão migrando para lá, já que a secretaria de turismo acabou com o que era divertido em Salvador.
Fico aqui no meu canto fazendo pão, lendo e estudando um pouco. Tomo meu sol lá no canto do prédio e espero que essa folia acabe logo para que eu recupere o ritmo de minha vida.
Divirtam-se.
Elza
domingo, fevereiro 12, 2012

PostHeaderIcon Familia

Como é bom estar entre as pessoas de meu sangue, a quem amo tanto.
Como é bom ser chamada para comemorar o aniversário de uma querida.
Como é bom ser lembrada para conhecer a bebê recem nascida.
Como é bom quebrar a rotina e passar algumas horas com outros queridos.
Falamos de tudo e de nada. Rimos e nos divertimos apenas porque estamos juntos.
Só quem já perdeu e reencontrou os seus próximos pode avaliar a sensação de paz e de segurança que advem desses encontros.
Procuro falar o mínimo e ouvir ao máximo as vozes e os risos.
Guardo no fundo de minha alma e trancados na minha memória os sons e a sensação deliciosa de pertencer a um clã.
O meu cantinho é só meu e repleto de fotos e lembranças dessas pessoas importantes.

Elza
domingo, fevereiro 05, 2012

PostHeaderIcon Mais uma vez CAPEMI

Pessoas queridas que visitam esse blog quase abandonado,
Estou estarrecida com o que recebo de mensagens a respeito desse golpe que se espalhou pelo Brasil. Já recebi mensagens de diversos Estados da nação e a estratégia é sempre a mesma:
um aerograma informa que o incauto tem dinheiro para receber em razão de um processo, mas, para levantar o dinheiro tem que depositar as "custas" e despesas com advogado.
A pessoa deposita e nunca mais ouve falar no grupo. Os telefones cedidos são desligados e tudo desaparece...]
Além disso, o que está ocorrendo é o USO INDEVIDO DE NOMES DE PESSOAS SÉRIAS e direitas, que não participam do golpe e se veem envolvidas nesse estelionado. A quadrilha usa nomes verdadeiros de advogados, sendo que esses, NÃO ESTÃO ENVOLVIDOS COM A FALCATRUA.
Cuidado!
Ao receber esse aerograma vá à Delegacia de Policia mais próxima e faça lavrar Boletim de Ocorrência!
JAMAIS DEPOSITE O DINHEIRO SOLICITADO!
Abç. Elza

Thelma Louise

Thelma Louise
Minha gatinha querida

Pesquisar este blog

Perfil

Elza Maria sempre em busca de respostas. Paradoxal, curiosa, inteligente, crítica, observadora, sentimental, habilidosa, amorosa, sensível, disciplinada e um montão de outras coisas. Ser humano normal, comum, mediano, mas que gosta de escrever e está no quarto blog.

Arquivo do blog

Atualizaçoes

Seguidores

Miau

Get the Maukie - the virtual cat widget and many other great free widgets at Widgetbox!

Passaram por aqui

Créditos

Template: Meiroca.com
Foto: Silvia Perutti