segunda-feira, novembro 26, 2007

PostHeaderIcon Juizes

Advogados costumam dizer que há juízes que pensam que são deuses e juízes que tem certeza...


Muitos juízes acham que, porque tem o poder de decisão sobre seus jurisdicionados e somente sobre eles, vestem uma couraça de invecíveis, infalíveis e por aí afora. Saem dizendo besteiras como aquele lá de Minas Gerais que julgou a Lei Maria da Penha inconstitucional, ou essa outra, lá da Paraíba que declarou na sentença proferida em processo trabalhista:

" A liberdade de decisão e a consciência interior situam o juiz dentro do mundo em um lugar especial que o converte em um ser absoluto e incomparavelmente superior a qualquer outro ser material."

Posso com cabotinismo maior?

Juiz não passa de funcionário público de carreira que deve dizer do direito nos casos que lhe são distribuídos e só!

A grande maioria deles se fosse tentar advogar não passaria de advogado pleno, mesmo depois de anos e anos de carreira, pois, não tem ousadia, criatividade e nem combatividade.

Claro que louvo as exceções e me curvo ante a sapiência de alguns poucos magistrados, mas, de modo geral o que está grassando pelo País é a imbecilidade, como as duas acima apontadas.

O juiz de Minas Gerais não poderia declarar a inconstitucionalidade da Lei por falta de competência do Foro e, ao proferir tamanha barbararidade e outras que omiti, na sentença, demonstrou que se trata de um coitado que não pode ver um "rabo de saia" ou um tornozelo que fica excitado e perde as estribeiras. Falta-lhe compustura e tranquilidade para exercer as atividades inerentes ao cargo. O pior é que coloca a culpa de seu desassossego nas mulheres. Nós é que somos coisas do demo!

No caso da juíza da Paraíba houve demonstração de incapacidade técnica e de arrogância. Colocar-se na posição de superioridade a qualquer outro ser material chega às raias da infantilidade, sem falar na presunção!

Aliás, juiz do trabalho costuma atribuir-se poderes e competências tão absurdos que merecem posts especiais, tantas são as histórias.
Quando eu era menina ouvia os mais velhos dizerem que o juiz era a figura mais importante da cidade porque tinha o poder de decidir e, por ser jovem e imatura, acreditei.
Tempos depois, algum iluminado me disse que, se esse presunçoso não tivesse tido uma professora a lhe ensinar as primeiras letras, jamais seria magistrado.
Foi assim que aprendi que o ser mais importante é o professor que ensina a ler e não tem juiz no mundo, com todas as garantias constitucionais, que possa mudar minha opinião, especialmente quando se coloca no mesmo nível dos deuses.
Bjkª da Elza

1 comentários:

Lica disse...

Realmente Elzinha, conheço cada figura que dá até medo. Não por serem superiores hierarquicamente, simplesmente por imaginar que coisas tão importantes estão nas mãos deles. Tirando a presunção, quem ensinou à juíza que ela tem liberdade de decisão? Acima de todos e acima da Lei. Coitada. Quanto a advogar também tenho que concordar. Poucos são os advogados combativos, com conhecimento técnico. Que sabem redigir uma boa peça então...

Thelma Louise

Thelma Louise
Minha gatinha querida

Pesquisar este blog

Perfil

Elza Maria sempre em busca de respostas. Paradoxal, curiosa, inteligente, crítica, observadora, sentimental, habilidosa, amorosa, sensível, disciplinada e um montão de outras coisas. Ser humano normal, comum, mediano, mas que gosta de escrever e está no quarto blog.

Arquivo do blog

Atualizaçoes

Seguidores

Miau

Get the Maukie - the virtual cat widget and many other great free widgets at Widgetbox!

Passaram por aqui

Créditos

Template: Meiroca.com
Foto: Silvia Perutti