quinta-feira, abril 03, 2008

PostHeaderIcon Surpresa

Conheci um rapaz engraçadíssimo, alegre, cheio de vida e de novidades, ria de tudo e de todos e contagiava quem estivesse por perto. Os olhos sempre brilhantes e travessos olhavam o mundo pela ótica do homossexualismo assumido desde jovem.

Passou alguns meses fora do Brasil e foi despachado de volta pela empresa que comandava o intercâmbio e sua estadia com familia porque, seduziu ou foi seduzido pelo patriarca.

Quando retornou ao Brasil era outra pessoa. Vivia na noite, não trabalhava e tornou-se promíscuo. Não se cuidou, também, até encontrar Beto.

Um contraste, pois, enquanto um era moreno, extrovertido, alegre e irresponsável, o outro era loiro, imensos e tristes olhos azuis, tímido, de familia humilde e trabalhador.

Moraram juntos por alguns anos. Compraram coisas de casa e cuidavam de si. Eram felizes e Beto colocou o parceiro na linha. Acabaram-se as noitadas, as gandaias, a promiscuidade. A influência de Beto sobre ele foi enorme e até trabalho arrumou e acabou-se a gandaia e a promiscuidade das saunas e dos banheiros de casas noturnas. A vida seguia ao lado do enorme cachorro que eles criavam, quando a aids manifestou-se num deles. Foram morar com os pais do doente.

Durou dois anos a agonia. A familia tradicional, cheia de brios e preconceitos, não aceitava o relacionamento dos dois. Passou a culpar o loiro pela "praga" que atacara seu filho. Diziam que ele estava com câncer aos parentes e vizinhos. Suportava a presença de Beto na casa para cuidar do doente que perdera todas as forças e funções. Beto só teve certeza da doença que acometeu seu parceiro porque a médica o chamou e abriu as possibilidades de ele estar contaminado. A familia não queria que ele soubesse da verdade.

Na véspera de sua despedida ele agradeceu ao parceiro a paciência, a compreensão e a felicidade, perante seus familiares que, aproveitaram e despacharam Beto para fora de suas vidas, como um nada, um ninguém. Um irmão do parceiro montou guarda no quarto enquanto Beto retirava seus pertences pessoais e ninguém perguntou a quem pertenceriam os bens comprados por eles enquanto puderam viver sozinhos. Beto saiu dessa relação desempregado e com as roupas do corpo. Ninguém perguntou se ele precisaria de alguns daqueles bens para recomeçar sua vida.

Fevereiro/95, morte e enterro. Fim de uma vida nesse plano aos 30 anos de idade. Beto não foi convocado para as cerimônias fúnebres e nem os vizinhos que viram o falecido nascer.

Fevereiro/96 deu-se incêndio no apartamento da familia. Tudo queimado, desde obras de arte caras e raras de pintor primitivista brasileiro até móveis velhos e podres. De roupas de grife nos armários até comida sobre a mesa largada por causa da fumaça. Perdeu-se tudo! O que fora adquirido pela familia e o que fora adquirido pelos jovens separados pela aids.

Familia indigna com o parceiro de seu filho e com o vizinho do apartamento do andar inferior que foi invadido pela água e fuligem do incêndio criminoso ateado pelos jovens netos do casal.

Encontrei Beto hoje. Bonito, arrumado, saudável e feliz com outro parceiro numa relação de 10 anos. Nós nos reconhecemos e recebi abraços e beijos de carinho como se tempo não existisse entre nossos últimos encontros.

Ele me disse que reconstruiu a vida, tem sua casa e nos finais de semana vai ao sitio onde tem 6 cães e 9 gatos, piscina e amigos. É amado e respeitado pela familia de seu parceiro. Falamos muito no Renèe e recordamos episódios divertidos e também dos não tão felizes, é claro.

Por que estou contado isso? Não sei, na realidade. Talvez para ilustrar sentimento profundo e gentil que unia dois homens adultos e homossexuais que eu encontrava na garagem do prédio em que morávamos, com o cachorro. Eram jovens, alegres e nunca soube dos apuros pelos quais Beto passou durante a doença de Renèe. Depois de 12 anos da morte, quando nos reencontramos, é que ele abriu a boca e contou o quanto sofreu. Emocionou-se e me cativou mais uma vez.

Gilberto Gil disse que "qualquer forma de amor vale a pena". Taí a prova. Beto está redimido, saudável e feliz.

Bjkª. Elza

5 comentários:

Luciana Chichierchio disse...

Elza,respeito é bom e todo mundo gosta,concorda???E pessoas adultas precisam ser respeitadas nas escolhas que fazem!!!
Beijos e parabéns pelo blog!!!

Ana disse...

Te vi lá na Rosamaria, perguntando o que é "coisquirídia" e vim conhecer teu blog!

Com certeza ela virá te explicar...

O que sei é que gostei muito de te ler. Este post, especialmente, me emocionou...

Blog do Beagle disse...

Olá, Luciana, obrigada pela visita e pelo elogio. Querendo voltar. fique a cômodo. A casa está sempre aberta. Bjkª. Elza


Ana, obrigada pela visita e pelo elogio. Volte quando quiser. De vez em quando conto coisas do passado, muitas vezes me perco ao falar sobre meus bichos ... vou postando o que me dá vontade, sem direção e sem objetivo. Bjkª. Elza

Rosamaria disse...

Elza

Amei essa tua frase: "Minha imagem no espelho não combina com a da alma. A do espelho já foi jovial e hoje, a da alma o é."
Eu tô nessa! hehehe

Obrigada pela visita, espero que voltes.
COSQUIRÍDIA quer dizer COISA QUERIDA e uso sempre para as pessoas que eu quero bem.

Como a 'cosquirídia' da Ana aí acima,gostei do teu blog e me emocionei com a história que contaste.

Anônimo disse...

Rosamaria, volte quando quiser.As portas estão abertas. Bjkª. Elza

Thelma Louise

Thelma Louise
Minha gatinha querida

Pesquisar este blog

Perfil

Elza Maria sempre em busca de respostas. Paradoxal, curiosa, inteligente, crítica, observadora, sentimental, habilidosa, amorosa, sensível, disciplinada e um montão de outras coisas. Ser humano normal, comum, mediano, mas que gosta de escrever e está no quarto blog.

Arquivo do blog

Atualizaçoes

Seguidores

Miau

Get the Maukie - the virtual cat widget and many other great free widgets at Widgetbox!

Passaram por aqui

Créditos

Template: Meiroca.com
Foto: Silvia Perutti