quinta-feira, maio 22, 2008

PostHeaderIcon Claudomira, outra vez

Claudomira, aquela mulata fogosa, de peitos grandes, cabelos revoltos e inteligência curta arrumou um namorado.


Loirinho, miudinho e tímido, não falava nosso idioma. Gastava muito e jamais revelou a procedência do dinheiro.


Ele se encantou com aquela mulher desinibida que o tratava como a um rei, só pelo fato de ser de outra nacionalidade. Coisa bem tupiniquim subdesenvolvido de achar que porque é de fora é melhor e mais culto e mais educado ...


"Ficaram" algum tempo. Ela se achando o máximo e ele, muito satisfeito de suas necessidades carnais. Ele pagava as contas e ela abusava. Ganhou carro, joias, viagens e até um apartamento depois que passaram a dividir teto.


Quando o apartamento foi comprado o corretor se aproximou de Claudomira e ela não resistiu aos encantos daquele homem alto, forte e com voz de veludo. Meteu um par de cornos no namorado, sem dó. Cínica e interesseira, passou a sair com os dois. Um lhe satisfazia as necessidades materiais e o outro, as fantasias eróticas.


O corretor começou a exigir-lhe presença constante. Queria Claudomira só para si. Nada de dividi-la com o namorado que pagava as contas. Ela, por sua vez, arguia que só deixaria o outro por situação financeira melhor e mais confortável. Ele a deixou falando sozinha.

O namorado viajava muito e nem percebeu que ela mudara o comportamento, pois, a perda do amante a entristeceu e a deixou cheia de desejos não satisfeitos. Sempre lhe trazia chocolates, perfumes e outros presentes, muitas vezes simplesmente desprezados e abandonados em algum canto.

Certa feita, ao chegar de viagem encontrou Claudomira dormindo tranquila e satisfeita, nua e com os cabelos revoltos cheios de pétalas de rosas. Garrafa de champagne vazia na mesa de cabeceira e música suave ao fundo. Cama desfeita num convite à lascívia.

Amaram-se como nunca e ela gostou do desempenho dele, pela primeira vez. Pensou na sorte que tivera na vida. Estava pensando em dar um golpe e se casar com o loirinho. Seria madame, rica e poderia exibir seu achado para as amigas mais descrentes.

Ele anunciou que estava de partida. Voltaria para a terra natal após vender todos os bens adquiridos em nome dela. Lá, ele mantinha familia constituída que reclamava sua presença. Precisava do dinheiro investido porque perdera a fonte de renda.

Usou da procuração que ela outorgara logo de início, vendeu tudo e foi-se, sem deixar rastro.


Bjkª. Elza

3 comentários:

Sonia H. disse...

Oi, Elza!

Menina, você é uma escritora nata!
Amei a tua história! Tem de publicar em livro!
Beijos,

Anunciação disse...

Concordo com a soniah.Fantástica.Demorei a vir e encontrei mais alguns posts;o de seu marido está também muito bom.Um beijo.

Blog do Beagle disse...

Sonia, obrigada pelo incentivo. Bjkª. Elza


Anunciação, nem sei o que dizer. Obrigada. Bjkª. Elza

Thelma Louise

Thelma Louise
Minha gatinha querida

Pesquisar este blog

Perfil

Elza Maria sempre em busca de respostas. Paradoxal, curiosa, inteligente, crítica, observadora, sentimental, habilidosa, amorosa, sensível, disciplinada e um montão de outras coisas. Ser humano normal, comum, mediano, mas que gosta de escrever e está no quarto blog.

Arquivo do blog

Atualizaçoes

Seguidores

Miau

Get the Maukie - the virtual cat widget and many other great free widgets at Widgetbox!

Passaram por aqui

Créditos

Template: Meiroca.com
Foto: Silvia Perutti