sábado, maio 09, 2009

PostHeaderIcon Liberdade



Imagem retirada de:

http://users.isr.ist.utl.pt/~etienne/leisure/Lisboa/calcado-liberdade-shiny.html

- Cheguei num ponto da vida que preciso adotar uma criança. Já passei dos 40 faz tempo, estou realizada profissionalmente e casada há mais de 10 anos. Preciso descarregar meu amor de alguma forma, disse Mariana à Diretora do abrigo.

- Quer levar uma criança para casa? Tenho de tudo: desde bebês, até adolescentes com mais de 15 anos, dos dois sexos e de todas as cores.

- Posso andar por aí para ser escolhida por algum?

- Vamos lá, ao seu gosto.

- Você precisa de algo para o abrigo?

- Tudo é útil: agasalhos, roupas adequadas para os menores, frutas diferentes, produtos de limpeza, absorventes para as mocinhas...

- Providenciarei uma cesta com essas coisas, disse Mariana.

Naquele dia saiu de mãos abanando.

Sábado à noite, na rua escura, perto de um farol.
- Menino, como é seu nome?
- Junior.
- Onde estão seus pais?
- Não sei.
- Vc está com fome?
- Hã hã. Tou com frio.
- Conhece aquele povo ali?
- Eles me ajudam se eu vendo as balas e ganho moedas no farol.
A assistente social chega no grupo de sem teto e puxa conversa. Fica sabendo que o pai do garoto foi assassinado e a mãe morreu de overdose. Ambos menores de idade. O menino ficou abandonado e vive com eles, mas ninguém tem obrigação de cuidar dele.
- Não esse ai não cheira cola e nem usa crack, ainda.


No abrigo para menores:
- Garoto, como é seu nome?
- Junior.
- Quantos anos você tem?
- Não sei.
- Onde estão seus pais?
- Não sei. Minha mãe foi pro hospital e não voltou.
- Como é o nome dela?
- Mamãe.

- Mariana, chegou um menino interessante aqui. Venha conhece-lo. Ele não é cidadão, ainda. Não tem registro, não tem nome, nem idade. Foi encontrado na rua, vendendo balas num farol. Os sem teto da redondeza olhavam por ele.


- Junior, quer ir para minha casa comigo?
- Você vai me colocar no farol?
- Não, eu vou colocar vc na escola. Você terá casa, comida, roupa limpa e a obrigação de ir à escola e ser um bom aluno. Pode escolher um nome para você.
- Já tenho nome, é Junior.
- Precisamos arrumar um nome bonito para você colocar o Junior. Pode ser Alexandre, Jonathan, Roberto ... vc escolhe.
- Tá bom. O velho que me ajudava era Vanderlei. Posso ficar Vanderlei Junior?
- Pode.

Mariana levou o guri para casa. Ele recebeu o melhor banho de sua curta vidinha e roupas. Penteado, cheiroso e de tenis novos foi chamado para almoçar. Claro que não sabia se comportar à mesa. Claro que nem imaginava como pegar num talher ou quanto de comida deveria ingerir. Ele não sabia que dentro de algumas horas iria comer de novo; teria frutas ao seu dispor, e que poderia assistir TV sentado num confortável sofá. Ele nunca tivera uma cama limpa e com cobertas escolhidas só para agradá-lo e aquece-lo. Nem poderia imaginar que ao abrir o armário encontraria roupas dobradas de cheirosas para uso.

Ele andou pelo apartamento e ficou surpreso de ver limpeza e a organização. Encantou-se com o aquário e seus peixinhos coloridos. Seu mundo era composto por ruas e faróis; brigas por pedaços de comida; frio e chuva. Ele já sentira as dores da fome e da violência.

Por orientação da assistente social ele comeu tanto que foi parar no pronto socorro, duas vezes, até entender que teria alimento nas horas certas. Descobriu o prazer do banho e de usar o banheiro; de ter roupas frescas; da comida limpa e cheirosa, mas, a liberdade não tem preço.

Vanderlei Junior encontrou o meio de sair daquela gaiola dourada para viver sua vida, de roupa limpa. Escapava à noite, sorrateiramente, para o farol mais próximo. Pedia moedas e vendia as balas que retirava da casa. Começou a colecionar seus trocados e aos poucos passou a troca-los por cola e pedras de crack. Um dia, não voltou para seus protetores e quase os enlouqueceu. Susto, medo, amor e fúria se misturaram na busca infrutífera.

Aos 5 anos de idade Vanderlei Junior já era velho. Viciado, não suportou o cativeiro de luxo. Despareceu na vida. Foi encontrato morto, atropelado no meio da rua, sujo, machucado e com as mãos queimadas pelo cachimbo de crack. Ainda não era cidadão. Ainda não tinha registro e nem fora adotado.


Elza Lara

2 comentários:

Felina disse...

cruel realidade.

Ana disse...

Que triste...

Thelma Louise

Thelma Louise
Minha gatinha querida

Pesquisar este blog

Perfil

Elza Maria sempre em busca de respostas. Paradoxal, curiosa, inteligente, crítica, observadora, sentimental, habilidosa, amorosa, sensível, disciplinada e um montão de outras coisas. Ser humano normal, comum, mediano, mas que gosta de escrever e está no quarto blog.

Arquivo do blog

Atualizaçoes

Seguidores

Miau

Get the Maukie - the virtual cat widget and many other great free widgets at Widgetbox!

Passaram por aqui

Créditos

Template: Meiroca.com
Foto: Silvia Perutti