quarta-feira, maio 20, 2009

PostHeaderIcon Claudemira e o túmulo

- Chame a policia. O carro funerário foi roubado! Depois desse alarme o motorista soltou todos os palavrões que conhecia e ainda reclamou com Claudemira que o colocara nessa encrenca.
Claudemira nem chorou. Voltou para dentro do bar, pediu uma cerveja e esperou o desenrolar dos acontecimentos. Sua amiga Creusa estava dentro da urna funerária sendo do transportada para a última morada.
- Quero inaugurar o túmulo que herdei e me acontece isso. Faz anos que não piso na minha cidade, resmungou entre copos de cerveja a mulada de peitos fartos, cabelos indomados e inteligência curta.
- Isso é coisa do Zé do Bode, só pode ser. Ele andava por aqui antesdonte, disse o empregado do bar. Ele adora essas coisas de assustar o povo de fora. Pode prucurá que oceis acha ele e o carro de defunto.
A policia chegou, fez seu serviço e todos sairam em busca do carro de defunto. Rádio foi passado para a policia rodoviária e o alerta geral estava dado. Nenhuma noticia do carro ou da urna chegavam. O tempo passava, a tarde caía, e a cerveja rolava.
- Dona, a senhora entorna bem a cerveja. Tou de oio faz um tempão, disse o Peninha, outro empregado do bar.
- Perdi minha amiga. Bebo para não chorar, resmungou Claudemira.
- Perdeu, como?
- Morreu e o corpo sumiu. O carro funerário foi roubado. Quem pode querer um carro de de defunto?
- Eita gente! Tem um carro ali no garpão. Será doceis? Vi o Zé do Bode puxar o carro prá lá.
A correria foi enorme. O carro encontrado incólume. Todos os documentos no lugare a urna intacta.
- Linche esse Zé do Bode! Avise a polícia para dar baixa no BO porque nós temos que seguir viagem e não queremos ser parados nos postos policiais, disse o motorista. Vamos ver se agora chegamos ao nosso destino. Já estamos com 4 horas de atraso e tenho que devolver esse carro para o Serviço Funerário da Capital.
Seguiram estrada adiante com Claudemira roncando ao lado do condutor. A cerveja tem efeitos drásticos não apenas na sonolência que causa, mas na bexiga do bebedor.
- Pára aí moço, não aguento mais!
- Moça, aqui não tem onde ...
- Eu me viro, mas páre aí!
Esse diálogo não foi o único até chegarem ao local do enterro. Eles conseguiram se desentender diversas vezes, não apenas por causa da bexiga da Claudemira, mas por todos os motivos imagináveis, inclusive sono e fome.
Claro que já passara da hora de entregar a urna pois já eram mais de 18 horas quando aportaram no cemitério. O enterro precisou ficar para o dia seguinte. O motorista descarregou o caixão no velório municipal e deixou Claudemira numa pensão barata. Dalí para frente era com ela.
- Se quiser tem uma cama de cima no beliche do último quarto, disse a dona da pensão. Não tem café da manhã, não. Banheiro no fundo do corredor com banho frio.
O cemitério era pequeno, pobre, feio, sem nenhuma árvore e em cada túmulo flores de plástico, todas iguais. O calor é tão grande que só as flores de plástico resistem.
- Dona, a Senhora não pode enterrar essa defunta aqui nesse túmulo, não. Ele está lotado. Tem 4 gavetas e todas ocupadas. Além disso esse túmulo é da Prefeitura. A Senhora não pode exumar os corpos, não.
- Como?! Tem alguma coisa errada. Eu recebi esse túmulo como herança da minha tia. Agora eu tenho onde cair morta! Vim inaugurar meu túmulo! Veja a carta que me mandaram.
A confusão foi armada, por que, Claudemira, de fato não recebera aquela herança e o corpo da Creusa precisa de descanso. Depois de horas de conversas e choros e desesperos, Claudemira cedeu e deixou o corpo da amiga ser colocado nos túmulos provisórios destinados aos indigentes já que não tinha disponibilidade financeira para comprar uma campa e nem interesse. Já gastara muito mais do que poderia para transportar o corpo.
Nem flores e nem velas. Apenas Claudemira e os coveiros deixaram a urna com Creusa. Findo o serviço, Claudemira virou as costas e voltou para casa.
- Gente, viagem tranquila, motorista simpático. Fiquei num hotelzinho simples mas limpinho e com boa comida. O cemitério é muito lindo e bem tratado, cheio de flores e árvores. Uma beleza! A Creusa está muito bem acomodada. Quase tirei fotos, mas não achei que era próprio. Juntou gente para ver o enterro da mulher que veio de fora.
Bjkª. Elza

7 comentários:

Ana disse...

Que viagem...

Na vida, como na morte, pode-se dar a versão dos fatos que nos aprouver. Pelo menos nos casos sem testemunhas!

Vc tem o dom de retratar a miséria humana através dos detalhes aparentemente sem importância.
Observadora da vida, como ela é...

Claudio Costa disse...

Como dizia um político mineiro: "Mais importante que o fato é a versão do fato". Concordo em gênero, número e grau, porém com as devidas com ressalvas.

Blog do Beagle disse...

Ana, adoro contar histórias. Obrigada por suas palavras. Bjkªssssss Elza

Claudio, kakakak adorei seu comentário dubio e embíguo. Bjkªsssssss Elza

Meire disse...

Nossa, coitada da Creuza e da Claudemira....Que situaçao!

Bjs

Blog do Beagle disse...

Claudemira não se perta, Meire. Ela topa tudo e todos. Bjkª. Elza

Márcia(clarinha) disse...

E assim vão vivendo seus sonhos e desencantos, sabem levar a vida.
Ótimo conto.

lindo dia querida
beijos

Blog do Beagle disse...

Olá, Marcia, seja bem vinda mais uma vez. Obrigada pelo elogio. Bj. Elza

Thelma Louise

Thelma Louise
Minha gatinha querida

Pesquisar este blog

Perfil

Elza Maria sempre em busca de respostas. Paradoxal, curiosa, inteligente, crítica, observadora, sentimental, habilidosa, amorosa, sensível, disciplinada e um montão de outras coisas. Ser humano normal, comum, mediano, mas que gosta de escrever e está no quarto blog.

Arquivo do blog

Atualizaçoes

Seguidores

Miau

Get the Maukie - the virtual cat widget and many other great free widgets at Widgetbox!

Passaram por aqui

Créditos

Template: Meiroca.com
Foto: Silvia Perutti